PLACAR

Raducanu e Boulter brilham, e Grã-Bretanha bate a França

Foto: LTA

Le Portel (França) – Em um dos confrontos mais aguardados desta rodada da Billie Jean King Cup, a Grã-Bretanha superou a França fora de casa e se garantiu na fase final da competição. Depois de o primeiro dia terminar empatado por 1 a 1, a equipe visitante contou o com brilho de Katie Boulter e Emma Raducanu para consolidar a classificação.

Abrindo a programação deste sábado, Boulter encarou um início complicado e chegou a ver a Clara Burel sacar para o primeiro set com 5/4. No entanto, a britânica reagiu e venceu nove games em sequência, não apenas levando o primeiro set por 7/5 como também aplicando um pneu na segunda parcial, fechando o jogo após 1h44.

Tentando dar sobrevida às donas da casa, Diane Parry reacendeu as esperanças fancesas ao vencer o primeiro set de Emma Raducanu por 6/4. Mas as coisas começaram a mudar quando a campeã do US Open de 2021 ganhou a segunda parcial por 6/1 e levou a definição para o terceiro set.

O jogo seguiu tenso e equilibrado, com duas trocas de quebra ao longo da parcial, e só foi decidido no tie-break, quando a jovem britânica se sobressaiu e marcou 7-1 para dar a vitória ao seu país.

Polônia, Austrália e Eslováquia marcam 4 a 0, Japão também avança
Outros quatro confrontos da fase qualificatória do grupo mundial já estão definidos. Jogando fora de casa, a Polônia de Iga Swiatek não tomou conhecimento da Suíça e ‘varreu’ as adversárias. Primeiro, com uma vitória da número 1 do mundo diante de Celine Naef por 6/4 e 6/3 para garantir a classificação. Depois, com um triunfo de Maja Chwalinska e Katarzyna Kawa nas duplas frente a Jil Teichmann e Simona Waltert por 7/5 e 6/1.

Outra seleção que ganhou de forma invicta seu confronto foi. Em Brisbane, as anfitriãs trataram de liquidar a fatura com Taylah Preston diante de Marcela Zacarias com um duplo 6/1. Na sequência, Ellen Perez e Daria Saville apenas cumpriram tabela ao baterem Jessica Gomez e Maria Navarro com as parciais de 6/3 e 6/1.

Em Brastislava, vitória de zero também da Eslováquia contra a Eslovênia, com triunfos de Renata Jamrichova sobre Veronika Erjavec por 6/2 e 6/0 e da parceria de Viktoria Hruncakova e Tereza Mihalikova sobre Pia Lovric e Ela Nala Milic pelo placar de 6/1, 2/6 e 10-6.

Por fim, o Japão de Naomi Osaka bateu por 3 a 1 um Cazaquistão desfalcado de Elena Rybakina. A ex-número 1 do mundo venceu seu jogo na sexta-feira, abrindo 2 a 0, e apenas assistiu a vitória de Nao Hibino sobre Anna Danilina por 6/1 e 6/0 e a derrota da dupla de Shuko Aoyama e Ena Shibahara para Danilina e Zhibek Kulambayeva, que marcaram as parciais 7/6 (9-7), 3/6 e 11-9.

Confrontos em aberto
Além de Brasil e Alemanha, que voltam à quadra neste sábado em São Paulo, há outros dois duelos em andamento pela fase de classificação às finais da Billie Jean King Cup. Os Estados Unidos têm 2 a 0 contra Bélgica em Orlando, enquanto a Ucrânia vai vencendo a Romênia por 2 a 1 em Fernandina Beach, em território norte-americano.

Quem jogará a fase final em novembro?
Além das equipes vencedoras neste fim de semana (Grã-Bretanha, Polônia, Austrália, Eslováquia e Japão), outras quatro seleções já estão garantidas na disputa que acontecerá em Sevilha: Canadá (atual campeã), Itália (finalista em 2023), Espanha (anfitriã) e República Tcheca (convidada).

Os 12 times classificados serão divididos em quatro grupos com três países e apenas as campeãs de cada chave avançam às semifinais. Os duelos são realizados em melhor de três, com duas partidas de simples e outa de duplas, assim como acontece na fase final da Copa Davis em seu novo formato.

E as equipes eliminadas?
As oito nações perdedoras nos qualifiers deste fim de semana se juntarão a outros oito times ganhadores do Grupo I, em seus respectivos zonais, para a disputa dos Playoffs para 2025. Quem vencer essa etapa ganha o direito de jogar exatamente esta fase qualificatória para a fase final do ano que vem, enquanto as derrotadas serão rebaixadas para o evento regional do Grupo I.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE