PLACAR

Ostapenko: “Sabia que eu teria as minhas chances”

Foto: Andrew Ong/USTA

Nova York (EUA) – Destaque da rodada noturna do US Open no último domingo, a letã Jelena Ostapenko roubou a cena e derrotou Iga Swiatek em uma grande virada na última partida do dia, não apenas eliminado a rival da competição, como derrubando a polonesa da liderança do ranking, que será ocupada pela bielorrussa Aryna Sabalenka a partir da próxima segunda-feira.

Ostapenko afirmou que tentou usar essa pressão na luta pelo número 1 a seu favor. “Ela é uma grande jogadora e muito, muito consistente, especialmente nos últimos anos. Mas eu também sabia que sofreria toda a pressão porque é a número 1 e se perdesse para mim perderia o primeiro lugar”, disse Ostapenko, que agora tem quatro vitórias em quatro duelos com Swiatek.

“Eu só estava tentando dificultar as coisas para ela, fazer o meu jogo e lutar até o último ponto. Sabia que haveria momentos em que teria chances e esperei por elas”, acrescentou a letã. Classificada para as quartas de final do US Open pela primeira vez, Ostapenko agora já chegou nesta fase em todos os quatro Grand Slam e agora tenta alcançar sua terceira semifinal.

Na próxima fase, ela cruzará com a tenista da casa Coco Gauff, que vem embalada após seus dois maiores títulos da carreira, em Washington e Cincinnati. “Ela é uma ótima jovem tenista, joguei com ela na Austrália e foi uma ótima partida. Vou tentar me concentrar em mim mesma e me divertir. É ótimo estar nas quartas de final, principalmente aqui em Nova York”.

Questionada sobre o começo não muito bom contra Swiatek, a letã tentou explicar o que aconteceu. “Às vezes, quando você quer tanto ganhar, entra em quadra e tenta jogar muito bem, mas então algo não dá certo e você fica um pouco chateada. Mas senti que no primeiro set não joguei mal, estava apenas um pouco apressada”, analisou a letã.

“O principal era continuar agressiva e fazer meu jogo. Comecei a sentir meu jogo muito melhor no final do segundo set e principalmente no terceiro. Estava treinando muito bem antes da temporada norte-americana, mas em muitos torneios os resultados não vinham. Continuei tentando e trabalhando. Sinto que agora meu jogo está voltando ao normal e estou jogando mais solta”, completou Ostapenko.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE