PLACAR

Medvedev esbanja simpatia e brinca com Djokovic

Foto: Garrett Ellwood/USTA

Nova York (EUA) – Depois de alguns minutos de frustração e lamentação com a derrota sofrida na final do US Open, o russo Daniil Medvedev esbanjou simpatia no discurso da premiação. O vice-campeão do torneio, superado pelo sérvio Novak Djokovic em sets diretos na final, fez questão de enaltecer seu algoz e parabenizá-lo pelo recorde de Grand Slam.

“Antes de mais nada tenho que perguntar por que Novak ainda está aqui. Foi minha terceira final e espero que não seja a última. Também espero que ele diminua um pouco o ritmo. Eu tenho 20 títulos e você tem 24 Grand Slam, então merece os parabéns. Para você e para seu time”, disse o russo, misturando ironia com elogios para o rival deste domingo.

“Uma coisa incrível que posso dizer é que já bati Novak em uma final de Grand Slam, acho que é o ápice da minha carreira. Ele me puxa para ser melhor. A primeira vez que nos conhecemos eu era tipo 500 do mundo e ele foi bem simpático comigo, é uma grande pessoa”, falou Medvedev, enaltecendo a figura do 24 vezes campeão de Grand Slam.

O russo agradeceu à família, a seu time e lamentou não ter conseguido dar o título de presente a sua esposa. “Dois anos atrás, quando eu ganhei o título aqui falei que era um grande presente de aniversário de casamento para minha esposa, neste domingo de novo é nosso aniversário e foi uma porcaria. Queria poder ter feito isso uma vez mais”, falou Medvedev.

“Quero agradecer Gilles (Cervara), que está comigo há uns oito anos e espero que possamos ter novas chances. Quero agradecer minha família e todos que me apoiaram nessa jornada, que às vezes é feliz e às vezes é dura”, acrescentou o número 3 do mundo.

Ele encerrou com uma mensagem para a torcida, com quem vive intensos momentos de amor e ódio. “Por último, queria agradecer a torcida, vocês são incríveis. Esse estádio é incrível, desde o começo do torneio queria poder sentir essa energia e jogar aqui com a quadra cheia. Também queria jogar melhor hoje, mas não deu”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE