PLACAR

Gasquet: “Um top 200 é melhor hoje do que no passado”

Foto: Real Murcia Club de Tenis 1919

Múrcia (Espanha) – Tentando dar a volta por cima no circuito, o francês Richard Gasquet disputou na semana passada o challenger de Múrcia, onde era o cabeça de chave número 2 e foi até as quartas de final, parando no espanhol Pablo Llamas. Ex-top 10 e atual 120 do mundo, o tenista de 37 anos falou sobre seu momento no circuito em entrevista ao Dicodusport.

“É sempre melhor jogar em Roma, Mônaco e Madrid, torneios que sempre joguei, mas hoje estou em 120º lugar no ranking. Ainda estou me preparando para grandes torneios: tenho um convite para Bucareste e talvez em Roland-Garros também. Ainda restam grandes torneios, então se eu quiser me preparar para eles e jogar, não tenho escolha a não ser vir aqui e jogar”, comentou Gasquet.

“Não queria viajar pelos Estados Unidos para jogar o quali em Miami e Indian Wells. Eu disse a mim mesmo que iria me preparar no saibro aqui (na Europa). Mas não é fácil, todos os jogos são complicados e você precisa ter humildade. Não é um problema para mim estar aqui, o difícil é que não tenho margem sobre muitos jogadores. Todas as partidas são complicada”, falou o francês sobre jogar challengers.

Gasquet afirma que não pretende seguir o caminho do espanhol Tommy Robredo, ex-número 5 do mundo, que continuou a jogar até quase os 40 anos, quando estava acima do 300º lugar no ranking. “Cada um faz o que quer, mas acho que precisamos parar. Se você é o 100º no mundo, tudo bem, mas se você é o 300º aos 40, não tenho mais interesse”, afirmou o francês de 37 anos.

Para ele, o circuito challenger está mais complicado do que quando começou na carreira. “Já não me lembro de muita coisa. Já se passaram 20, 22 anos, é difícil lembrar, mas acho que um jogador que está em 200º ou 300º lugar hoje é mais forte do que antes, está melhor preparado do que antes”, analisou Gasquet.

5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Andre Borges
Andre Borges
25 dias atrás

Gasquet, Thien, Goffin, Schwartzman, Fognini, Paire e até mesmo o Murray. Não tem mais como levar as partidas só no talento como Federer fazia 15 anos atrás. Hoje se você não entrar voando um top 100 te engole, os caras engolem o djocovid tinindo se ele vacilar, imagina o Gasquet pançudo.

Flávio
Flávio
25 dias atrás
Responder para  Andre Borges

André Borges um top 100 ENGOLIR DJOKOVIC KK, DEIXA DE SER BOLA FORA RAPAZ, não é porque Djokovic perdeu para um italiano de ranking baixo que é engolido não, ou seja, não quer dizer que vai acontecer de novo, vai estudar tênis cara e veja a carreira do sérvio

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
25 dias atrás

Gasquet disse o que está vendo bem de perto, na prática, mas esta verdade chega a agredir alguns inseguros adoradores do passado que só querem ouvir o que reforça o que eles querem acreditar.

João Sawao ando
João Sawao ando
24 dias atrás
Responder para  Marcos Ribeiro

Verdade marcos

Paulo Mala
Paulo Mala
24 dias atrás
Responder para  Marcos Ribeiro

A percepção do Gasquet está falha. Ele está velho agora, tem um nivel pior. É óbvio que os novatos vão parecer mais forte agora do que no começo da carreira.
Quando ele era jovem e jogou challenger, ele era forte. Inclusive ele até ganhava do Nadal no infantil pra juvenil.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da decisão em Monte Carlo

Medvedev em outro ataque de fúria e desconta na raquete

PUBLICIDADE