PLACAR

Djokovic luta por 3h e consegue revanche contra Rune

Foto: Corinne Dubreuil/ATP

Paris (França) – Protagonistas da final do ano passado no Masters 1000 de Paris, Novak Djokovic e Holger Rune voltaram a se enfrentar nesta sexta-feira, desta vez pelas quartas de final do torneio em quadras duras e cobertas na capital francesa. E o número 1 do mundo conseguiu a revanche contra o atual campeão do torneio, marcando as parciais de 7/5, 6/7 (3-7) e 6/4 em 2h55 de partida.

Seis vezes campeão em Paris, Djokovic tem a chance de ampliar a vantagem para Carlos Alcaraz na busca para terminar uma temporada na liderança do ranking pela oitava vez na carreira. Eles começaram a semana distantes por apenas 500 pontos no ranking de 2023, mas o sérvio já vai ampliando a vantagem em mais 360 pontos. Se for campeão, a diferença será de 1.500 pontos, faltando só o ATP Finals em disputa.

Esta foi a segunda vitória de Djokovic em quatro jogos entre ele e Rune no circuito, sendo que o jovem dinamarquês de 20 anos havia vencido as duas últimas. O adversário do sérvio na semifinal deste sábado virá da partida entre o australiano Alex de Minaur e o Andrey Rublev. O líder do ranking venceu o único duelo anterior contra De Minaur e tem 4 a 1 no histórico diante de Rublev.

Vencedor de 96 títulos no circuito da ATP, incluindo 39 Masters 1000, Djokovic tenta alcançar sua 137ª final na carreira. Nesta temporada, o veterano de 36 anos conquistou cinco títulos, Australian Open, Roland Garros, US Open, Cincinnati e Adelaide. Ele também foi vice na grama de Wimbledon.

Depois de ter passado por problemas estomacais no início da semana e relatar que isso afetou seu desempenho no jogo das oitavas, contra o holandês Tallon Griekspoor, Djokovic conseguiu jogar melhor nesta sexta-feira e sem sinalizar nenhum desconforto. O sérvio vinha confirmando seus serviços de forma consistente e se movimentando bem nos ralis de fundo.

Sérvio quebrou no fim do 1º set e teve match-point no 2º
Em um primeiro set com estatísticas equilibradas, a única quebra da parcial favoreceu Djokovic já no último game. Ele se aproveitou de um momento de maior passividade de Rune, comandou mais pontos com o forehand, e aproveitou o único break-point que teve na parcial. Rune até fez um winner a mais no set, 12 a 11, e cada jogador cometeu 10 erros, mas o dinamarquês não conseguiu ameaçar o saque do sérvio em nenhum momento.

O segundo set teve uma quebra para cada lado. Rune saiu na frente, depois de um game de saque muito ruim de Djokovic, três erros e uma dupla falta. Mas o sérvio igualou a disputa por 2/2 logo na sequência. Houve uma discussão ríspida entre o número 1 do mundo e o árbitro Renaud Lichtenstein. Ele reclamou que Rune havia demorado tempo demais para pedir o desafio eletrônico e já executado o golpe após a chamada.

Rune salvou um match-point quando perdia por 5/4, com ótimo saque. Na sequência, o dinamarquês fez um tiebreak impecável e igualou a partida. Mais consistente em quadra, ele fez 16 a 11 nos winners na parcial, e cometeu apenas 9 erros contra 14 de Djokovic.

Mas não demorou para que o número 1 do mundo retomasse o controle da partida. Ele quebrou logo cedo no terceiro set para abrir 3/1 no placar e não enfrentou break-points, perdendo apenas três pontos em seus games de serviço. De seus dez aces na partida, cinco foram no set decisivo. Rune terminou o jogo com mais winners, 38 a 31, e também mais erros, 26 a 25. Djokovic conseguiu três quebras na partida, uma em cada set, e só enfrentou um break-point nesta sexta-feira.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE