PLACAR

Campeã sem errar, Iga se adaptou ao estilo da rival

Foto: China Open

Pequim (China) – Campeã do WTA 1000 de Pequim, Iga Swiatek conseguiu um feito impressionante na final deste domingo. Ela não cometeu nenhum erro não-forçado na partida contra Liudmila Samsonova. Nas condições um pouco mais lentas das partidas noturnas em Pequim, movimentando muito bem de fundo, a polonesa foi muito disciplinada taticamente e se adaptou ao jogo de muito risco de sua rival, que se perdia em erros.

“É um título muito importante para mim e não esperava que fosse conseguir no início do torneio. Estou muito feliz por ter vencido e orgulhosa de mim mesma. Sou muito grata pelo apoio que recebi da minha equipe porque as últimas semanas não foram fáceis”, disse Swiatek, após a vitória por duplo 6/2 em 1h09 de partida. Ela conquistou o 16º título da carreira, sendo o 6º WTA 1000. Na temporada, tem cinco títulos e dois vices.

“Mesmo que o placar pareça fácil, não foi. Foi um jogo intenso e Liudmila me pressionou muito. Mas pude ser sólida e consistente e até o fim e mative o foco. Finais sempre têm um pouco de tensão, podemos sentir isso, mas fico muito feliz por ter me adaptado ao jeito que a Liudmila estava jogando. Tentei ser muito consistente com o que queria fazer, não importa como ela estivesse”, explicou a polonesa, que fez apenas dois winners na final. Samsonova anotou 18 bolas vencedoras, mas cometeu 26 erros não-forçados.

Ao longo da semana em Pequim, Swiatek perdeu apenas um set. Isso aconteceu na difícil partida das quartas de final contra a francesa Caroline Garcia. Já na semi, ela acabou com invencibilidade de 16 jogos de Coco Gauff, campeã do US Open e número 3 do mundo. A polonesa também derrotou Sara Sorribes, Varvara Gracheva e Magda Linette nas fases iniciais.

“Acho que joguei de forma menos agressiva do que nos torneios anteriores. Sinto que estou jogando de forma mais sólida. Obviamente eu ainda preciso ser agressiva, porque eu não poderia estar nesta fase se ficasse apenas empurrando a bola. Mas acho que estou cometendo menos erros do que antes”, comentou a número 2 do mundo. “Sinto que posso fazer bem as duas coisas. Quando senti que era o momento certo de jogar mais rápido ou de tirar o peso da bola, eu o fiz. Mas às vezes, é mais o feeling do que necessariamente a tática ou de algum tipo de plano. Esta superfície e essas bolas talvez sejam boas para mim. Tive pensamentos mais positivos quando jogava e também tenho a sensação de que tenho um plano B caso algo não dê certo”.

Com o título, Swiatek reduz a diferença para Aryna Sabalenka na disputa pela liderança do ranking. A vantagem da bielorrussa cai de 1.305 para apenas 630 pontos. O próximo compromisso para as duas jogadoras é o WTA Finals, que começa daqui a três semanas em Cancun, no México. Mas depois de ter liderado o ranking por 75 semanas, ela garante que o foco no momento está em aprimorar o seu jogo e que os números e pontos no ranking ficam em segundo plano.

‘Esse é o nível de estresse que ela causou às outras jogadoras’, diz Samsonova 
Vice-campeã em Pequim, Liudmila Samsonova disputou sua segunda final de WTA 1000 e repetiu o vice-campeonato que teve em Montréal em agosto. A russa de 24 anos e tem quatro títulos no circuito da WTA. Ela iniciou a semana na 22ª posição do ranking e voltará ao top 20, mas tem como melhor ranking o 12º lugar. Com três derrotas para Swiatek no circuito, duas neste ano, Samsonova também destacou o jogo sem erros da polonesa.

“Esse é o nível de estresse que ela causou às outras jogadoras. Ela não comete erros não forçados. Acho que isso é o que ela está fazendo de melhor. Toda vez você precisa fazer algo mais. Não é real o que você sente, mas ela faz você se sentir assim. Foi isso que aprendi hoje”, afirmou a russa, que derrotou nomes como Jelena Ostapenko e Elena Rybakina para chegar à final. “Foi uma semana incrível. Estive em Tóquio na semana passada e lá eu não joguei meu melhor tênis, mas aqui mostrei um bom nível e estou feliz por isso”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE