Saiba mais | Estatísticas
Façanhas e curiosidades

Big 3 e Big 4
David Nalbandian é o único tenista a conseguir derrotar Rafael Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic num mesmo torneio. Isso aconteceu no Masters de Madri de 2007 (piso sintético). Os três eram também os líderes do ranking.

Federer por sua vez conseguiu derrotar todos os outros Big 4 durante a campanha vitoriosa no Finals de 2010, mas na ocasião Andy Murray era 5º do ranking. Federer no entanto também derrotou o 4º, Robin Soderling.

Triciclo
Desde 1968, só se registraram cinco 'triciclos' em eventos de Grand Slam. O primeiro deles foi em Roland Garros de 1968, de 1968 Nikola Spear sobre Daniel Contet. Mas curiosamente três deles aconteceram em 1987: em Roland Garros (Karel Novacek sobre Eduardo Bengoechea); em Wimbledon (Stefan Edberg contra Stefan Eriksson); e no US Open, Ivan Lendl em cima de Barry Moir). Já em 1993, em Roland Garros, Sergi Bruguera repetiu diante de Thierry Champion.

Dois dígitos
Apenas três tenistas profissionais ganharam 10 ou mais troféus num mesmo torneio. Rafael Nadal ganhou 12 em Roland Garros e 11 tanto em Monte Carlo como em Barcelona, enquanto Roger Federer soma 10 em Halle e Martina Navratilova tem 12 em Chicago e 11 em Eastbourne.

Versatilidade
Por cinco vezes, Jimmy Connors obteve o feito de ganhar três torneios consecutivos em três pisos diferentes. John McEnroe e Ivan Lendl obtiveram tal façanha por três vezes.

Número 1 juvenil
Ao conquistar o Australian Open de 2010, o alagoano Tiago Fernandes foi o primeiro e único brasileiro a figurar no número 1 do ranking oficial da ITF, desde que ele passou a ser divulgado semanalmente, em 2004. Antes dele, a maior marca coube a Nicolas Santos, vice-líder em dezembro de 2006.

O raro "golden set"
Ganhar um set e vencer todos os 24 pontos foi um feito obtido apenas duas vezes na história do tênis profissional. O norte-americano Bill Scanlon obteve isso no WCT de Gold Coast, em 1983, ao superar o gaúcho Marcos Hocevar, na época 37º do ranking mundial. "O curioso é que não percebi o que estava acontecendo", relembra Scanlon, um top 10 com vitórias sobre estrelas como Agassi, Becker, Borg, McEnroe e Lendl. "Acho que o set durou uns 15 minutos e só depois da partida é que o árbitro me contou que eu não havia perdido qualquer ponto no segundo set". Em Wimbledon de 2012, a cazaque Yaroslava Shvedova repetiu o feito ao superar a italiana Sara Errani, por 6/0 e 6/4. "Lembro do primeiro ponto que ela ganhou, as pessoas começaram a aplaudir. Eu pensei: 'o que está acontecendo?'. Achei que eles queriam um bom jogo e só", revelou a cazaque.

Sucesso nas duplas mistas
Bruno Soares conquistou o US Open de 2012 e se tornou então o terceiro brasileiro a ter títulos de Grand Slam em duplas mistas. O mineiro ganhou ao lado da russa Ekaterina Makarova naquela ocasião e depois conquistou mais dois: US Open de 2014, com Sania Mirza, e Austrália de 2016, com Elena Vesnina. Além dele, Thomaz Koch e Maria Esther Bueno ganharam mistas, ambos em Roland Garros: Koch jogou ao lado da uruguaia Fiorella Bonicelli para faturar o torneio de 1975, enquanto Estherzinha venceu em 1960 ao lado do australiano Bob Howe.

Recordes de público
A partida exibição entre a belga Kim Clijsters e a norte-americana Serena Williams, realizada no dia 8 de julho de 2010, em Bruxelas, quebrou o recorde mundial de público presente em um jogo de tênis. A quadra foi montada no estádio Rei Baudouin e recebeu 35.621 espectadores, que viram a vitória de Clijsters por 6/3 e 6/2.

O duelo teve por objetivo superar a marca de 30.472 pessoas, que foram ao Astrodome de Houston, nos Estados Unidos, no dia 20 de setembro de 1973, para assistir à "batalha dos sexos" entre Billie Jean King e Bobby Riggs. King venceu por 6/4, 6/3 e 6/3. Estima-se que 50 milhões de pessoas viram o duelo ao vivo, via TV, em todo o mundo.

Finais brasileiras
O Brasil teve dois finalistas de um mesmo ATP Tour somente uma vez na história do tênis profissional. Foi em 1992, quando Luiz Mattar venceu Jaime Oncins para conquistar o torneio de São Paulo. Outro domingo histórico aconteceu em 7 de março de 1994, quando o Brasil disputou duas finais ao mesmo tempo: Mattar foi vice em Scottsdale (EUA) e Roberto Jábali, na Cidade do México.

US Open já mudou de piso três vezes
O Aberto dos Estados Unidos é o único evento de Grand Slam que já foi disputado em três pisos diferentes. Até 1974, ele acontecia na grama; depois passou para o har-tru (chamado de saibro verde, na verdade com tom acinzentado) e por fim, em 78, com a inauguração do National Tennis Center,

passou à resina sintética. O Aberto da Austrália utilizou a grama até 86 e passou para piso sintético em 1988. Roland Garros sempre foi no saibro e Wimbledon, na grama.

Grand Slam do saibro
Ao ganhar o torneio de Hamburgo em 2001, Gustavo Kuerten se tornou apenas o quinto tenista, em 50 anos, a completar o "Grand Slam do saibro", ou seja, vencer pelo menos uma vez os torneios de Roland Garros, Monte Carlo, Roma e Hamburgo. Os outros quatro heróis foram Ivan Lendl, Guillermo Vilas, Jaroslav Drobry e Nicola Pietrangeli. O espanhol Rafael Nadal entrou para a galeria em 2008, ao ganhar Hamburgo, e completou o perfeito 'Clay Slam' em 2010, vencendo sucessivamente Monte Carlo, Roma, Madri e Roland Garros.

Kafelnikov, o homem de ferro
O russo Yevgeny Kafelnikov é o Ironman do tênis profissional. Em seis de oito temporadas, ele foi quem mais disputou partidas no circuito masculino. Seu incrível recorde foi de 171 jogos, obtido duas vezes, em 94 e 96. Em simples, ele chegou a 105 também por duas vezes (95 e 96). O único a quebrar sua hegemonia foi o sueco Jonas Bjorkman, que disputou 158 partidas em 1997.

Eficiente Borg
O sueco Bjorn Borg não foi um dos maiores tenistas sobre piso lento da história por mero acaso. Além de ter vencido Roland Garros por seis vezes, quatro delas consecutivas, ele ainda por duas vezes, em 78 e 80, chegou ao título sem perder um set sequer. Seu índice de aproveitamento foi incrível: ganhou 79,8% dos games que disputou em 78 e 76,8% em 80.

As donas do tênis amador
Helen Wills Moody não perdeu um set sequer de simples entre os anos de 1927 e 1932. Suzanne Lenglen foi derrotada apenas uma vez em jogos individuais entre os anos de 1919 e 1926. Ainda assim, isso aconteceu por abandono, durante uma partida do Nacional Norte-americano de 1921. Infelizmente, o número exato de jogos disputados por essas duas fantásticas tenistas não é preciso, devido à falta de documentação naquela época.

França e Suíça batem recorde na Copa Davis
O maratônico duelo entre Suíça e França, pelas quartas de final da Copa Davis de 2001, bateu um recorde: durante as cinco equilibradas partidas, foram disputados 275 games em 21 horas, determinando o mais longo confronto em qualquer nível da Davis, desde a introdução do tiebreak, em 1989. Três dos cinco jogos terminaram no quinto set. A França venceu.

Os feitos de Margaret Court
A australiana Margaret Smith Court detém o recorde absoluto de quantidade de títulos vencido numa única temporada. Em 1970, ela ganhou nada menos que 21 campeonatos. Curiosamente, a segunda e terceira melhores marcas também são dela: 18 troféus tanto em 69 como em 73.

Domínio dos canhotos
A única vez na história do tênis profissional masculino que todos os semifinalistas de um torneio eram canhotos aconteceu no WCT de Richmond, em 1980, quando jogaram Victor Amaya, John McEnroe, Roscoe Tanner e Guillermo Vilas. O campeão foi McEnroe.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis