Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Djokovic diz que a rodada poderia começar mais cedo
03/07/2022 às 21h36

O jogo do sérvio pelas oitavas de final terminou a 20 minutos do horário limite para o fim das rodadas em Wimbledon

Foto: AELTC

Londres (Inglaterra) - Classificado para as quartas de final de Wimbledon, Novak Djokovic comentou sobre a possibilidade as rodadas começarem mais cedo nos próximos anos. Seu jogo deste domingo, diante do holandês Tim van Rijthoven terminou às 22h40 pelo horário local, a 20 minutos do horário limite para o fim das rodadas em Londres. Caso a partida não acabasse às 23h de Londres (19h de Brasília), os jogadores teriam que sair de quadra e retornar apenas na segunda-feira.

Tive sorte, graças a Deus. Lembro de ter jogado uma partida de dois dias contra o [Rafael] Nadal há alguns anos, na semifinal. Nunca é muito agradável", disse Djokovic na entrevista ainda em quadra. E o sérvio retomou o assunto na coletiva de imprensa. "Sabemos que Wimbledon sempre respeitou suas tradições. Então, os horários das partidas na Quadra Central e na Quadra Nº 1 não são alterados há muitos anos, mas ouvi dizer que há algumas conversas sobre antecipar o início das rodadas, especialmente na Quadra Central".

"Não vejo razão para não jogar mais cedo, para ser honesto, principalmente agora que há entrevistas em quadra, algo que não tínhamos até alguns anos atrás. Se você estiver agendado para fazer o último jogo da Quadra Central, terminará uma partida com o teto fechado, o que muda as condições, o estilo de jogo e a maneira como você se move na quadra. É mais escorregadio e tem que se adaptar às luzes também. Isso vira um torneio indoor", avaliou o hexacampeão do torneio e vencedor das últimas três edições.

Djokovic lembra que Wimbledon tem revisto algumas tradições, como os jogos no Middle Sunday e a autorização para treinos na Quadra Central, ambas em vigor a partir deste ano. "Acho que a maioria dos jogadores provavelmente concordaria que o início das rodadas na Quadra Central fosse antecipado. Já que há algumas mudanças este ano que nunca pensamos que veríamos em Wimbledon, por que não mudar para meia hora ou uma hora antes? Acho que seria bastante útil terminar as partidas talvez sem usar o teto".

Domingo de festa na Quadra Central de Wimbledon

Uma das razões para o atraso na programação deste domingo foi a cerimônia que comemorou os cem anos da Quadra Central, com a presença de campeões do passado e do presente. "É claro que hoje foi uma ocasião especial. Acho que era necessário comemorar os cem anos da Quadra Central. Para mim foi uma honra. Fiquei muito feliz em fazer parte disso. Então, é um daqueles momentos únicos que você vive como jogador de tênis".

'Sabia que teria um jogo difícil', disse Djokovic
O sérvio avaliou seu desempenho na vitória sobre Rijthoven por 6/2, 4/6, 6/1 e 6/2. O rival de 25 anos e 104º do ranking vinha de um título na grama de 's-Hertogenbosch, o que rendeu a ele um convite para a chave principal de Wimbledon. Logo em seu primeiro Grand Slam como profissional, o holandês já chegou às oitavas.

"Eu sabia que seria um confronto difícil e desafiador contra Tim. Nunca havia enfrentado ele antes, mas o assisti jogar. Ele tem um jogo muito bom para a grama e provou isso hoje, principalmente nos dois primeiros sets. Mas, no geral, acho que joguei muito bem e fui muito sólido no fundo da quadra. E comecei a ler melhor o saque dele no terceiro e quarto sets. Estou realmente satisfeito com a maneira como encerrei a partida. Perdi um pouco o ritmo do meu saque no final do jogo, mas no geral foi uma boa atuação".

Duelo com Sinner nas quartas de final
Djokovic enfrenta nas oitavas o italiano Jannik Sinner, jovem de 20 anos e número 13 do mundo. O sérvio venceu o único duelo anterior, no Masters 1000 de Monte Carlo do ano passado. "Só tenho superlativos e coisas positivas para falar sobre o jogo do Sinner. Todos sabemos que ele é muito talentoso. Ele já é um jogador estabelecido".

"Eu o vi jogar em muitos pisos diferentes nos últimos anos e ele está amadurecendo muito nos grandes palcos. Acho que ele não sente muita pressão nesse tipo do jogo, ele é muito confiante e acredita que pode vencer qualquer um, em qualquer estádio. Ele é muito sólido, tem todos os golpes: saque, devolução, forehand, backhand. Vejo um pouco de mim no jogo dele, do fundo da quadra, batendo reto na bola com o backhand e ficando na linha de base, tentando pressionar os adversários".

Comentários