Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Ruud destaca desafio que é encarar Nadal em RG
05/06/2022 às 19h03

Paris (França) - A primeira final de Grand Slam para o norueguês Casper Ruud não poderia acontecer em situação mais adversa do que contra o espanhol Rafael Nadal em Roland Garros, onde o canhoto de Mallorca nunca havia perdido uma decisão antes. E neste domingo a escrita permaneceu, com a 14ª conquista no saibro parisiense para ele.

“Disse antes do jogo que achava que era um dos maiores desafios que tinha, mas agora posso falar que tenho certeza que sim. É realmente desafiador e muito difícil. Os números dele falam por si, ele nunca perdeu uma final aqui e há uma razão para isso”, afirmou Ruud, que também nunca havia enfrentado Nadal pelo circuito, embora já tenham treinado muitas vezes juntos na academia do espanhol.

“Ele joga o mesmo estilo nos treinos e nas partidas, leva os treinos muito a sério, assim como eu. Se treinarmos e jogarmos sets, acho que ambos queremos tentar vencer, é claro, e ter um bom treino. Mas as circunstâncias eram um pouco diferentes hoje. Foi a primeira vez que experimentei estar nesta situação de jogar uma final de Grand Slam”, falou o norueguês.

Depois de perder o primeiro set, ele até chegou a ter uma quebra de vantagem no segundo, mas então não venceu mais um game sequer. “Consegui uma quebra que veio meio fácil, abri 3/1 e queria tentar vencer aquele set. Mas então ele intensificou e mostrou que quando precisa, joga muito bem. Foi difícil saber onde eu deveria jogar a bola porque de ambos os lados ele vai muito bem”, comentou Ruud.

“Não sabia exatamente onde jogar lá no final e ele me fez correr muito pela quadra. Quando você está jogando na defensiva contra Rafa no saibro, ele vai te comer vivo”, complementou o norueguês, que lembrou os momentos que ficarão guardados na memória nesta sua primeira final de Slam.

“Os principais pontos de partida são sempre memoráveis e ele terminou em grande estilo com um winner. Foi um pouco engraçado quando a introdução do locutor, contando todas as vezes que Rafa ganhou o torneio e que nunca para, parece que leva meio minuto. Também foi um momento especial a entrega do troféu por Billie Jean King, uma lenda do esporte. Foi bom conhecê-la pessoalmente”, contou Ruud.

Ao avaliar sua participação, o norueguês comemorou o desempenho nas duas semanas. “Soube aproveitar as chances que tive, não joguei meu melhor tênis em todos os pontos do torneio, mas consegui vencer os mais importantes, Percebi que as partidas de melhor de cinco sets podem ser muito longas e levo comigo com essa experiência, aprendendo a manter meu corpo bem, sem muitas dores ou lesões nessas duas semanas”, finalizou.

Comentários