Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Nadal tem duelo de 'criador com criatura' na final
04/06/2022 às 19h06

Paris (França) - Quarto mais jovem a vencer Roland Garros desde o começo da Era Aberta, o espanhol Rafael Nadal já é também o segundo mais velho a levantar a taça do torneio e pode neste domingo se tornar o primeiro, batendo a marca de Andres Gimeno, que se sagrou campeão em 1972 aos 34 anos e 10 meses. O canhoto de Mallorca completou 36 anos na semana que passou.

Nadal também pode se tornar o terceiro campeão de Grand Slam mais velho da Era Aberta, atrás apenas de Ken Rosewall e de Roger Federer. Para conseguir este feito, ele precisa vencer Casper Ruud na final deste domingo às 10h (horário de Brasília), num duelo praticamente entre criador e criatura, uma vez que o norueguês foi aprimorar seu tênis justamente na academia do espanhol.

Apesar de já terem compartilhado alguns treinos, Nadal e Ruud se enfrentarão pela primeira vez no circuito. Inspirado no espanhol, seu ídolo confesso, o norueguês de 23 anos e atual 8 do mundo vai para sua primeira decisão de Grand Slam e tem um histórico muito inferior ao de Rafa.

Enquanto o norueguês vai em busca da 150ª vitória da carreira, o rival espanhol tem 111 triunfos só em Roland Garros, somando 473 no saibro e 1.057 ao todo. Nadal tem já 13 títulos só no Grand Slam francês e 21 nos quatro principais torneios, ao passo que do outro lado Ruud conquistou apenas oito títulos no geral, quase 12 vezes menos do que os 91 troféus levantados pelo ex-número 1 do mundo.

Olhando a campanha de ambos no torneio, Ruud chega na final levando a melhor em todas as estatísticas de saque, com destaque para a vantagem de 52 a 13 nos aces. Contudo, nas devoluções é Rafa quem leva a melhor. O norueguês tem melhor aproveitamento que o canhoto de Mallorca em pontos de até 4 bolas (55% a 54%), mas leva a pior entre 5 e 8 bolas (53% a 58%) e também com 9 bolas ou bolas (54% a 55%).

Ruud volta a prevalecer quando o assunto são as bolas vencedoras, com 259 para ele e 204 para Rafa, e também se dá bem nos erros não forçados, com 28 a menos (138 a 166). Só que do outro lado ele terá não apenas o recordista de títulos no torneio, como um cara que venceu todos os 73 oponentes diferentes que enfrentou no saibro de Paris.

Comentários