Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Horário do jogo é outra disputa para Nadal e Djokovic
29/05/2022 às 17h48

Nadal deixou bem claro que sua preferência é jogar durante o dia, e não à noite

Foto: Arquivo

Paris (França) - Com a confirmação do duelo entre Novak Djokovic e Rafael Nadal pelas quartas de final de Roland Garros, a organização do torneio terá um quebra-cabeça a resolver para a próxima quarta-feira, realizar a partida em um horário que seja agradável para os jogadores e também para o público.

Treze vezes campeão em Paris, Nadal já deixou claro que prefere jogar durante o dia. Em vários torneios no saibro, o espanhol comenta que isso possibilita que ele possa jogar de forma mais agressiva e comandar os pontos a partir do primeiro forehand depois do saque. Já Djokovic, número 1 do mundo e atual campeão, confirma que os jogadores top fazem pedidos de acordo com suas características, mas que a decisão cabe à direção do evento e às emissoras de televisão.

"Não gosto de sessões noturnas de saibro. Já disse isso outro dia. Eu sou muito claro quanto a isso. Eu não gosto de jogar no saibro durante a noite, porque a umidade é mais alta, a bola é mais lenta e as condições ficam muito pesadas, especialmente quando está frio. Acho que isso faz uma grande diferença na forma de quem joga tênis no saibro durante a noite e durante o dia", comentou Nadal ainda na última sexta-feira, quando venceu Botic van de Zandschulp pela terceira rodada. Na ocasião, ele havia sido perguntado sobre as melhorias recentes no complexo parisiense, que começou a ter jogos noturnos apenas em 2020.

O espanhol voltou a comentar o assunto no domingo, após vencer uma batalha de cinco sets contra o canadense Felix Auger-Aliassime. "Conheço este torneio de dia, é como joguei em toda a minha carreira. Neste momento, sei que cada vez que venho aqui pode ser o último, o jogo de terça pode ser o meu último em Roland Garros, Quem sabe? Eu gostaria de jogar durante o dia", comentou o veterano de 36 anos.

Djokovic também falou sobre a escolha de quadras e horários. E ele próprio se utilizou do recurso neste domingo, quando enfrentou o argentino Diego Schwartzman pelas oitavas de final. O sérvio teve a partida marcada para a quadra Suzanne Lenglen, segunda maior do complexo e onde Nadal já jogou na sexta-feira, para não precisar jogar à noite contra Schwartzman.

"Como jogadores top, fazemos pedidos, mas que nem sempre são aceitos. O diretor do torneio, junto com as emissoras de TV, é quem decide. Você só precisa se ajustar a isso. Obviamente, dependendo de quem você enfrenta, às vezes é favorável jogar à noite, às vezes o dia. Não existe um padrão ou nenhuma fórmula que funcione sempre, por assim dizer", afirmou o atual líder do ranking mundial.

"Historicamente, joguei muito bem e ganhei muitas partidas à noite em diferentes Slams, principalmente na Austrália. Mas hoje, honestamente, eu preferi jogar de dia do que jogar 21h. As condições são diferentes hoje. Está mais frio, mais lento. À noite provavelmente ainda mais lento, e com o quique de bola ainda mais baixo, o que provavelmente seria ainda mais favorável ao meu adversário", complementou o sérvio, que derrotou Schwartzman pela sétima vez na carreira.

Zverev prefere o dia, mas acha que jogará à noite
Até mesmo o número 3 do mundo Alexander Zverev, que também está nas quartas de final e espera pelo vencedor entre Carlos Alcaraz e Karen Khachanov, também já comentou que prefere jogar durante o dia, mas já se prepara para uma eventual sessão noturna.

"Para o meu jogo, para ser honesto, o meu saque vai ser ainda mais lento e meu forehand vai ser ainda mais lento. Não vai ser fácil para mim jogar às 21h30 da noite sem sol, sem calor e 8 graus. Eu não me importo com as sessões noturnas quando faz 30 graus durante o dia. Mas quando está 14 graus como hoje, então à noite vai ser o que, 8 ou 9 graus? E assim fica difícil. Mas tenho certeza que vou jogar à noite contra o Alcaraz, porque é assim que vai ser. Estou me preparando para isso".

Comentários