Notícias | Dia a dia
Novas opções tornam apostas em tênis sofisticadas
24/05/2022 às 23h55

Dentre os esportes individuais de maior exposição midiática, o tênis é provavelmente aquele que oferece mais possibilidades de reviravoltas. Muito embora o boxe e o MMA tragam um maior componente de imprevisibilidade (já que a qualquer momento uma luta pode terminar em nocaute ou finalização), o fato de o tênis ser disputado em melhor de três ou de cinco sets — todos com pelo menos seis games — faz com que frequentemente haja oportunidades para se apostar no jogador que é claramente o “azarão” de determinada partida.

A habilidade de reconhecer tais oportunidades tornou-se particularmente importante entre as temporadas de 2006 e 2019 da ATP. Dos 56 Grand Slams realizados nesses quatorze anos, 48 - ou seja, 85,7% - terminaram com o título do suíço Roger Federer, do espanhol Rafael Nadal ou do sérvio Novak Djokovic. Apenas o argentino Juan Martín del Potro, o escocês Andy Murray, o croata Marin Čilić e o suíço Stan Wawrinka foram capazes de impedir o domínio completo dos três maiores vencedores do tênis masculino de todos os tempos.

Indo além do 'moneyline'
Naqueles anos, uma simples aposta do tipo moneyline (que nada mais é do que escolher o vencedor de uma partida) em um evento que envolvesse os grandes nomes do circuito raramente podia ser considerada atraente. Por isso, os apostadores em tênis se viram tendo que recorrer cada vez mais às apostas ao vivo, nas quais é possível buscar desfechos menos previsíveis: quem vencerá determinado set (sendo possível adivinhar inclusive o placar), quem vencerá determinado game (também com a possibilidade de se adivinhar o placar), de quem será a primeira quebra de serviço etc.

Essa busca por retornos maiores fez com que alguns se aventurassem também nas apostas múltiplas. Trata-se de uma aposta ousada: um apostador seleciona mais de um palpite ao mesmo tempo, e um único palpite errado faz com que todos os outros sejam perdidos. Como alternativa às apostas múltiplas, surgiu uma forma um pouco menos arriscada (e ao mesmo tempo mais sofisticada, como veremos a seguir) de se combinar eventos: o sistema de apostas. Aqui, já é possível obter algum retorno mesmo no caso de um dos palpites se revelar equivocado.

Roland Garros - Finale Dames 2012

Como se beneficiar com o sistema de apostas
Existem diferentes apostas de sistema, mas todas elas exigem um número mínimo de três seleções. O tipo mais simples é o chamado “Sistema 2/3", no qual se escolhe justamente a quantidade mínima de apostas. A partir daí, se pelo menos duas delas forem corretas (ou seja, 2/3), o apostador já garante algum retorno, independentemente do resultado da outra aposta. Uma das vantagens desse sistema é a possibilidade de se combinar duas seleções tidas como mais conservadoras com outra tida como mais especulativa.

Talvez não seja necessário ressaltar que esse não é exatamente o tipo de aposta recomendada aos que estão se familiarizando com as dinâmicas do tênis, um jogo marcado por altos e baixos e que demanda de seus praticantes um alto nível de inteligência emocional. Por outro lado, para os apostadores que assistem aos principais torneios da ATP há anos, o sistema pode ser uma oportunidade bastante válida de se tirar proveito dos momentos de oscilação até mesmo dos melhores atletas do mundo.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva