Notícias | Dia a dia
Centenário da Quadra Central, destaque de Wimbledon
28/04/2022 às 13h24

Londres (Inglaterra) - O All England Lawn Tennis Club anunciou os planos para a 135ª edição de Wimbledon, incluindo a celebração do centenário da Quadra Central e olhando para os próximos 100 anos do evento.

Ian Hewitt, presidente do All England Club, comentou: “Após dois anos afetados pela pandemia, temos o prazer de planejar um Wimbledon especial, ao comemorarmos o centenário de nossa mudança de Worple Road para nosso endereço atual em Church Road, e a abertura da Quadra Central aqui. Este estádio testemunhou não apenas partidas épicas, mas muitas mudanças no mundo ao nosso redor e na sociedade. Este ano oferece uma oportunidade para refletir sobre o passado, mas também para vislumbrar o que está por vir nos próximos 100 anos.”

O Domingo do Meio (3 de julho), que fará parte permanente da programação pela primeira vez, vai presenciar as comemorações do centenário da Quadra Central, entre o segundo e o terceiro jogos. Haverá distribuição de ingressos para os moradores locais, escolas, instituições de caridade e grupos comunitários.

Além disso, Wimbledon quer homenagear o Jubileu de Platina do reinado da Rainha Elizabeth 2ª, criando duas moedas de platina para serem usadas na escolha de lados das partidas finais; e para marcar os 100 anos da BBC, cujo relacionamento com o torneio começou há 95 anos.

O All England Club também comentou sobre a decisão extremamente difícil de recusar a participação dos jogadores russos e bielorrussos no campeonato deste ano.

“Acreditamos que esta é uma situação extrema e excepcional que nos leva muito além dos interesses do tênis. A invasão em curso da Rússia e os danos catastróficos a milhões de vidas na Ucrânia foram condenados em todo o mundo por mais de 140 nações. Instituições governamentais, industriais, esportivas e criativas estão fazendo sua parte nos esforços para limitar a influência global da Rússia, incluindo qualquer benefício de demonstrações de força comercial, cultural ou esportiva”, apontou Hewitt.

“Como parte dessa resposta, o governo do Reino Unido estabeleceu orientações direcionais para entidades e eventos esportivos, com o objetivo específico de limitar a influência da Rússia. Levamos essa orientação em consideração, como devemos como um evento de alto nível e uma instituição britânica líder. Para maior clareza, ele não permite a entrada automática em Wimbledon, com base apenas nas classificações”, continuou.

“Após uma análise cuidadosa de vários fatores, chegamos a duas conclusões firmes que formaram a base para nossa decisão. Primeiro, mesmo que aceitássemos inscrições de jogadores russos e bielorrussos com declarações escritas, arriscaríamos que seu sucesso ou participação em Wimbledon fosse usado para beneficiar a máquina de propaganda do regime russo - o que não poderíamos aceitar. Em segundo lugar, temos o dever de garantir que nenhuma ação que tomamos coloque em risco a segurança ou o bem-estar dos jogadores ou de suas famílias. Entendemos e lamentamos profundamente o impacto que esta decisão terá em cada indivíduo afetado – e tantas pessoas inocentes estão sofrendo como resultado desta terrível guerra. Mas, obrigados a agir, acreditamos ter tomado a decisão mais responsável possível nas circunstâncias”, concluiu Ian Hewitt, presidente do All England Club.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva