Notícias | Dia a dia
Tsitsipas domina e é bicampeão em Monte Carlo
17/04/2022 às 11h19

Monte Carlo (Mônaco) - O primeiro grande título do saibro em 2022 é novamente do grego Stefanos Tsitsipas. Com a dura missão de defender o troféu do ano passado no Masters 1000 de Monte Carlo, o número 5 do mundo superou pequenos vacilos e dominou a surpresa espanhola Alejandro Davidovich Fokina, em sua primeira final da carreira, com as parciais de 6/3 e 7/6 (7-3 no tiebreak).

Tsitsipas se torna assim o primeiro a ganhar duas edições seguidas de Monte Carlo desde o tricampeonato de Rafael Nadal entre 2016 e 2018. O canhoto espanhol, que soma 12 conquistas no saibro monegasco, não pôde competir devido a fratura por estresse nas costelas e só deve reaparecer em Madri.

Em sua 19ª final da carreira, oito delas sobre o saibro, Tsitsipas chega ao oitavo título geral e o terceiro seguido em cima da terra batida, depois de Monte Carlo e de Lyon, seus únicos troféus do ano passado. Ele tem mais um no saibro, em Estoril de 2019. Na última temporada, fez finais em Barcelona, onde perdeu para Nadal, e em Roland Garros, batido por Novak Djokovic.

O grego também se torna agora um dos oito tenistas em atividade a ter ao menos dois troféus de nível Masters, lista que tem Djokovic (37), Nadal (36), Roger Federer (28), Andy Murray (14), Alexander Zverev (5), Daniil Medvedev (4) e Jo-Wilfried Tsonga (2).

Fokina disputou a primeira final da carreira e tinha chance de repetir a façanha de Albert Portas, que em 2001 ergueu o primeiro troféu da carreira logo num Masters, então o de Hamburgo. O último tenista não cabeça de chave a ganhar no Principado foi o austríaco Thomas Muster, há exatos 30 anos.

Reação após quebra de saque
Para marcar sua terceira vitória seguida sobre Fokina, Tsitsipas precisou segurar os nervos.  Sob os olhares do líder da F-1, o monegasco Charles Leclerc, virou 0-30 no game inicial e perdeu o saque já no terceiro. Mas foi então a vez de o espanhol sentir pressão, enchendo-se de erros que permitiram a recuperação do grego.

Daí em diante, Tsitsipas jogou cada vez melhor. Ficou mais sólido na base, explorou boas subidas à rede e especialmente teve paciência para explorar o backhand do adversário. Ainda que obtivesse algumas boas paralelas com o golpe, Fokina também cometia erros quando pressionado ali e foi assim que o grego chegou à quebra no oitavo game, concluindo com perfeição o set em seguida.

Fokina ganha torcida
Tsitsipas inteligentemente pressionou logo na abertura do segundo set e saiu com quebra e vantagem de 2/0. Depois de enfim obter seu primeiro ponto no set, o espanhol se soltou, conseguiu manter a bola profunda na devolução e viu o adversário cometer erros nas trocas mais longas de bola.

O jogo então ganhou outro aspecto. Apoiado pelo público, Fokina vibrava a cada ponto importante e se manteve à frente até o 4/3. Veio então um longo e duro oitavo game, em que o espanhol evitou dois break-points cruciais com saque firme e tentou pressionar na rede. Até que, após sete minutos de batalha, Tsitsipas foi sólido com o backhand e usou o forehand para atacar.

Chegou ao 5/4 com o saque, mas não fez seu papel. O espanhol lutou muito e virou para 6/5, enquanto o grego levava advertência por instrução do treinador. A definição acabou no tiebreak para a alegria do público e aí Fokina jogou muito mal os primeiros pontos, mostrando-se apressado e sem confiança, enquanto o grego mostrou que ainda tinha pernas de sobra. Abriu 5-1, ainda perdeu um saque, mas concluiu em seguida.

Tsitsipas terminou com menor número de winners (17 a 18), mas também errou muito menos (18 a 29). Destaque para as 20 subidas à rede do espanhol, com sucesso em 13 desses pontos. O grego acertou 74% do primeiro saque e, apesar do piso lento, venceu 71% desses pontos.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva