Notícias | Dia a dia | Australian Open
Shapovalov diz que Nadal é favorecido por árbitros
25/01/2022 às 08h02

Apesar das declarações fortes, canadense se retratou por ter chamado Bernardes de 'corrupto'

Foto: Arquivo

Melbourne (Austrália) - Após a derrota nas quartas de final do Australian Open, o canadense Denis Shapovalov expressou toda sua insatisfação com o tratamento que os árbitros dão a Rafael Nadal, seu algoz na rodada desta terça-feira em Melbourne. Segundo o canadense, o espanhol é favorecido pelos juízes de cadeira, que não o advertem por estourar o limite de tempo entre os pontos. Mas apesar das declarações fortes, o tenista de 22 anos se retratou por ter chamado o árbitro brasileiro Carlos Bernardes de "corrupto" durante a partida. 

"Eu estava errado quando disse que ele é corrupto ou o que quer que eu tenha dito. Foi no calor do momento e emocional, mas acho injusto ver o quanto o Rafa está se safando", disse Shapovalov após a derrota por 6/3, 6/4, 4/6, 3/6 e 6/3. "Eu respeito tudo o que Rafa fez e acho que ele é um jogador incrível. Mas tem que haver alguns limites e regras estabelecidas. Como jogador é muito frustrante sentir que não está apenas enfrentando um jogador, mas está jogando contra os árbitros também".

"Quero dizer, eu estava completamente pronto para receber o saque dele e o relógio estava marcando 3, 2, 1... indo em direção ao zero, e estava olhando para o árbitro, e obviamente tive que falar alguma coisa: Eu estou pronto para jogar há um minuto e meio, e ele me diz que não vai dar uma violação para o Nadal, porque eu não estava pronto para jogar. Para mim, é uma grande piada se alguém diz isso", acrescentou o número 14 do mundo. 

"E então, depois do quarto set, ele já havia recebido dois atendimentos médicos e foi ao vestiário. No ano passado, eu não fui autorizado a ir ao vestiário porque havia pedido um tempo médico. É difícil. Foi uma longa pausa após o quarto set por esse motivo, e o jogo simplesmente esfria. Fica muito mais difícil de jogar. Novamente, não tentando dizer nada contra o Rafa. Ele é um grande jogador. Eu realmente respeito tudo o que ele fez. Mas eu só acho que é super difícil e super frustrante ter que enfrentar tudo isso", complementou o canadense, que buscava sua segunda semifinal de Grand Slam da carreira.

Shapovalov então foi perguntado se ele acha que Nadal recebe tratamento preferencial por ser quem ele é: "Isso é claro. 100%. Em todas as outras partidas que joguei, o ritmo foi muito rápido porque os árbitros controlavam o relógio depois de cada ponto. Hoje, depois dos dois primeiros sets, já tinha uma hora e meia de jogo, porque demorava muito depois de cada ponto".

"E como eu disse, eu literalmente, pelo mesmo motivo, não tive permissão para ir ao vestiário no ano passado aqui na Austrália porque chamei um tempo médico. Eu não estou discutindo o fato de o Rafa ter pedido um tempo médico ou o que quer que seja. Mas como você pode ser avaliado medicamente e fazer uma pausa para ir ao banheiro no mesmo intervalo e causar tanto atraso no jogo? Isso simplesmente não é equilibrado".

O canadense também revela o teor da conversa que teve com Nadal durante a partida. "Não era nada contra o Rafa. Como era ele quem iria sacar, eu esperava que o árbitro estivesse olhando para ele, mas em vez disso o árbitro estava me encarando. Não fazia sentido para mim. O cara está me encarando, então eu apenas olhei para ele como quem diz 'por que você está olhando para mim?' Foi logo depois que eu falei aquilo para ele e que foi errado. Eu só estava explicando para o Rafa que não tinha nada a ver com ele".

'Estou feliz com a forma como voltei para o jogo', diz o canadense
A respeito da partida, Shapovalov falou do desafio que foi encarar um duelo de cinco sets e com mais de 4h de duração. "Nós dois estamos lutando fisicamente, é uma partida de cinco sets. Obviamente ele chamou o médico para receber alguns analgésicos. Mas na minha cabeça, eu não estava focando se ele estava bem ou mal fisicamente. Eu também tenho dores e bolhas. Não estive 100% em todo o torneio, então não acho que seja algo que eu tenha prestado atenção".

Algoz do número 3 do mundo Alexander Zverev nas oitavas, o canadense também avaliou seu próprio desempenho: "Estou feliz com a forma como consegui lutar e voltar para o jogo. Encontrei meu jogo no final do terceiro e também no quarto set. É bom ter mais tempo nos Grand Slam para ter oportunidades de tentar encontrar o seu jogo. Foi um bom torneio para mim no geral. No terceiro, quarto e quinto sets, eu sentia que era o melhor jogador, tive mais chances. Mas bastou apenas um game ruim meu para decidir o jogo".

Comentários