Notícias | Dia a dia | Australian Open
Barty se inspira em Laver para seguir evoluindo
23/01/2022 às 11h30

Barty teve a audiência de Rod Laver no estádio neste domingo

Foto: Tennis Australia

Melbourne (Austrália) - Líder do ranking mundial, Ashleigh Barty teve audiência bastante qualificada neste domingo em Melbourne. Sua vitória por 6/4 e 6/3 diante da norte-americana Amanda Anisimova foi acompanhada de perto pelo lendário Rod Laver, que conseguiu por duas vezes vencer todos os quatro torneios do Grand Slam no mesmo ano, em 1962 e 1969. Classificada para as quartas de final e em busca de um título inédito na competição, a australiana se inspira em Laver para seguir evoluindo.

"É muito bom ter Rod aqui e vê-lo curtindo sua própria quadra. Ele foi imbatível. Eu certamente não sou. Só estou aqui fazendo o que posso, curtindo, como eu disse, tentar deixar a vida da minha oponente o mais desconfortável possível", disse Barty, que ainda não perdeu sets no caminho até as quartas de final. "Esse é o meu trabalho e eu faço com um sorriso. Obviamente, ele é um ser humano excepcional. Ele é um campeão incrível do nosso esporte. É simplesmente incrível estar na presença dele. Como australianos, temos muita sorte por ele ainda poder desfrutar do tênis conosco.

Com ótimo desempenho no saque, Barty chegou a ficar seis partidas e 63 games seguidos sem sofrer quebras, mas essa série chegou ao fim durante o segundo set do jogo deste domingo. Ainda assim, a australiana não se abalou e devolveu a quebra logo na sequência para retomar o controle da partida.

"Isso não me incomodou muito. Honestamente, eu nem estava contando quantos games seguidos eu fiz. Mais importante foi o fato de devolver a quebra logo depois e continuar fazendo o coisas certas. Naquele game, Amanda aproveitou alguns segundos serviços meus e foi capaz de quebrar. Ela fazia ótimas devoluções, mesmo no meu primeiro saque. Tenho que tirar o chapéu para ela por isso".

Duelo com Pegula nas quartas de final
Em busca de um lugar na semifinal, Barty enfrenta a norte-americana Jessica Pegula, 21ª do ranking, a quem superou no único duelo anterior, durante a campanha para o título de Roland Garros. "Ela é capaz de jogar muito bem do fundo de quadra. Seus golpes são bastante lineares e sua capacidade de absorver ritmo e depois aumentar quando ela quer é excepcional".

"Vai ser um desafio para mim tentar deixá-la desconfortável e sentir que ela tem que criar. Mas eu sei que ela também vai fazer exatamente a mesma coisa comigo e tentar me deixar desconfortável. Esse é o jogo de xadrez que nós jogamos. Você vai lá e se diverte com isso e ver quem pode executar melhor no dia".

Comentários