Notícias | Dia a dia | Australian Open
Bia vira, vai às quartas nas duplas e faz história
22/01/2022 às 23h46

Melbourne (Austrália) - A paulista Beatriz Haddad Maia escreveu neste domingo seu nome na história do tênis brasileiro, se tornando a primeira brasileira em toda a Era Aberta do tênis a alcançar as quartas de final no Australian Open. Ela e a cazaque Anna Danilina venceram de virada a espanhola Aliona Bolsova e a norueguesa Ulrikke Eikeri pelas oitavas com parciais de 3/6, 6/4 e 7/6 (10-5).

Esta é a sétima vitória consecutiva de Bia e Danilina, que na semana anterior ao Grand Slam australiano conquistaram o título no WTA 500 de Sydney. As próximas adversárias da paulista e da cazaque serão a sueca Rebecca Peterson e a russa Anastasia Potapova, que nas oitavas derrotaram a polonesa Magda Linette e a norte-americana Bernarda Pera com 6/3 e 7/6 (8-6).

Ao atingir as oitavas, Bia já igualou as melhores campanhas do tênis feminino brasileiro na Era Aberta em Melbourne, já que Cláudia Monteiro disputou esta fase em 1982, com a australiana Susan Leo, e em 1983 junto da sul-africana Yvonne Vermaak. E recentemente, Luísa Stefani chegou às oitavas em 2020 e 2021 ao lado da norte-americana Hayley Carter.

O jogo começou com chances de quebra nos três primeiros games, Bia e Danilina deixaram uma oportunidade escapar no primeiro game, foram quebradas no segundo e devolverm na sequência. Bolsova e Eikeri anotaram novo break no sexto game e salvaram três break-points no sétimo para assim rumar para fechar a parcial.

Bia e Danilina chegaram a ficar em maus lençóis no segundo set, quando viram as rivais abrir 3/1. Só que elas conseguiram devolver prontamente a quebra de desvantagem e depois de perderem quatro break-points no oitavo game, no décimo conseguiram a quebra que empatou o jogo e levou a definição para o terceiro.

A situação para a paulista e a cazaque voltou a se complicar com Bolsova e Eikeri abrindo 4/1 na terceira e decisiva parcial, com duas quebras de frente. Contudo, veio uma grande recuperação de Bia e Danilina, que venceram quatro games seguidos e levaram a decisão para o tiebreak, em que foram bem melhores que a espanhola e a norueguesa, fechando a partida no terceiro match-point que tiveram.

Comentários