Notícias | Dia a dia
'Big Four me fez um jogador melhor', afirma Berdych
07/12/2021 às 13h15

Praga (República Tcheca) - Aposentado desde o final da temporada de 2019, o tcheco Tomas Berdych relembrou um pouco de sua carreira em entrevista ao Sports Mail, na qual destacou a disputa com o Big Four como primordial para seu crescimento como tenista. Ele afirma que a alta competitividade foi muito importante para que pudesse se tornar um jogador ainda melhor.

“O principal motivo pelo qual tive tanto sucesso foi por causa de adversários como (Rafael) Nadal, (Roger) Federer, (Novak) Djokovic e (Andy) Murray. Eles exigem que você jogue em um nível muito alto de tênis . Possivelmente sem eles não teria conseguido nem metade do que alcancei” observou o tcheco, que chegou a ser número 4 do mundo e conquistou 13 títulos no circuito.

Berdych garante ser feliz com a carreira que teve no tênis. “Não tenho nenhuma vergonha dos jogos em que poderia ter feito mais, pois também há partidas em que poderia ter desistido antes, mas continuei jogando e lutando. Ainda me lembro daquela segunda rodada de Wimbledon 2010, quando estava perdendo dois sets a um para Denis Istomin”, contou o ctehco.

“Tive alguns problemas de estômago e passei cerca de 20 minutos no banheiro. Foi uma sensação terrível. Eu queria desistir, mas estava em Wimbledon e é um momento único que só se vive uma vez por ano. Voltei aos eixos, forcei o quinto set e finalmente consegui vencer. Nessa edição, cheguei à final, vencendo jogadores como Federer e Djokovic. Sinto que tive uma carreira de muito sucesso e estou em paz comigo mesmo”, completou.

Questionado sobre o formato da Copa Davis, que contou com poucas estrelas na edição de 2021, Berdych foi polêmico na sugestão. “Se a Copa Davis fosse realizada a cada dois anos, todo mundo iria enlouquecer. Os melhores jogadores do mundo querem ganhar esse torneio com o seu país, mas o fato de ser disputado todos os anos e ser uma temporada muito longa, faz com que seja normal decidirem não jogar”, observou o tcheco.

“Se fosse a cada dois anos, possivelmente isso faria com que os melhores jogadores estivessem sempre na Davis. Acho que seria muito mais especial do que é agora”, acrescentou Berdych, que não teve dúvidas sobre a aposentadoria. “Acordei uma manhã e disse a mim mesmo que era o fim de tudo. Decidi que aos 34 anos era hora de me aposentar”, finalizou.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva