Notícias | Dia a dia
Muguruza comemora melhor atuação no Finals
16/11/2021 às 23h17

Muguruza levou a melhor no duelo espanhol contra Paula Badosa nesta terça-feira

Foto: Jimmie48/WTA
Mário Sérgio Cruz

Classificada para a decisão do WTA Finals, Garbiñe Muguruza acredita que fez sua melhor atuação no torneio na semifinal desta terça-feira, em duelo espanhol contra Paula Badosa. A atual número 5 do mundo, e que terminará a temporada no top 3, chega confiante para a disputa do título, que acontece na quarta-feira, às 22h30 (de Brasília).

"Acho que foi a melhor partida que fiz até agora aqui em Guadalajara. Foi difícil jogar contra outra espanhola na semifinal. E também foi a primeira vez que nos enfrentamos. Então foi complicado", disse Muguruza, depois de vencer Badosa por duplo 6/3. "Mas estou muito feliz por ter vencido e estou muito orgulhosa pela Paula. Ela começou o ano lá embaixo no ranking e agora está entre as 10 melhores. É impressionante. Estou muito feliz por ela".

Depois de ter feito três partidas em sessões noturnas durante a fase de grupos, Muguruza atuou pela primeira vez durante à tarde e falou a TenisBrasil sobre as diferenças nas condições de jogo e velocidade da bola. "Eu senti uma diferença por causa do calor e do sol, a bola fica um pouquinho mais rápida, também não senti tanto o público. Acho que eu prefiro jogar à noite porque acredito ser mais emocionante e porque também já havia feito três jogos nesse horário. Jogar durante a tarde hoje foi uma mudança e tive que me concentrar mais para que isso não me afetasse, mas minha preferência é a noite".

Como tem dito desde o início do torneio, a espanhola está ainda mais motivada pelo fato de o torneio ser disputado no México e por ela ser uma das favorita dos fãs ao longo da semana. "Provavelmente é uma oportunidade única na minha carreira de jogar um Finals no México. É uma situação super motivadora para mim. Sempre que venho jogar aqui, eu me sinto muito bem-vinda e muito feliz. O ambiente é ótimo para mim. Quando eu soube que o Finals seria aqui, eu pensei: 'Ok, Garbiñe, esta é a sua chance'. Então, quando cheguei aqui, eu dei toda a minha energia".

A atleta de 28 anos também falou sobre sua formação como tenista, fugindo do clássico padrão de jogo espanhol com ralis mais longos e apostando em um tênis mais agressivo. "Eu comecei jogando ao estilo espanhol, mas rapidamente descobri que isso não era para mim. Eu tinha que entrar mais na quadra e ser agressiva. Acho que isso começou a mudar quando eu era adolescente, digamos com 16 ou 17 anos. Fiz a transição por causa do meu corpo, sou uma mulher alta e de braços grandes e a minha personalidade provavelmente não combinava com o clássico jogo espanhol. Eu queria dominar, ser agressiva e não ter medo. Tive que mudar meu estilo de jogo".

A adversária de Muguruza na decisão virá do confronto entre a grega Maria Sakkari e a estoniana Anett Kontaveit. Ela lidera o histórico de confrontos com Kontaveit por 3 a 2, tendo vencido a estoniana durante a fase de grupos em Guadalajara. Já contra Sakkari, a espanhola tem uma vitória e uma derrota. "Eu realmente não tenho uma preferência. Ambas são agressivas e estão jogando bem. Eu vi a Sakkari ontem contra a Sabalenka, e teve uma grande vitória e a Kontaveit está em ótima fase. Vai ser uma final difícil. Já ganhei e perdi para as duas. Estou apenas ansiosa. Mas sinto que se eu focar em mim mesma, como fiz hoje, porque assim eu tenho mais chances".

Badosa lamenta a derrota, mas sabe que precisa melhorar

Superada por Muguruza na semifinal desta terça-feira, Paula Badosa fez sua primeira participação no WTA Finals e lamentou a derrota. "Hoje foi um dia difícil. Não joguei a partida que esperava. Mas eu acho que ela jogou bem, principalmente nos momentos importantes. Todos os créditos para ela", disse Badosa, que elencou os aspectos que precisa melhorar. "Eu sei que sou uma jogadora muito boa de fundo e gosto de ser agressiva, mas também quero ser um boa jogadora na defesa. Não sei, tenho que trabalhar um pouquinho em tudo".

A espanhola, que completou 24 anos na última segunda-feira e credita sua boa fase ao trabalho de preparação mental, quer evoluir ainda mais nesse aspecto. "Mentalmente tenho que dar mais um passo porque não é a mesma coisa. Entre começar o ano como 70 do mundo e agora para começar o ano no top 10, terei muitas expectativas. Mentalmente vai ser difícil porque todas as adversárias vão querer me vencer. Vou ter que dar mais um passo em frente nisso. E, claro, fisicamente eu também tenho que melhorar um pouco mais".

Comentários
Loja - camisetas
Arena BTG