Notícias | Dia a dia
Medvedev: 'Ele me superou nos momentos cruciais'
07/11/2021 às 16h59

Paris (França) - Derrotado de virada na final do Masters 1000 de Paris, o russo Daniil Medvedev deu todo o crédito ao sérvio Novak Djokovic, que para ele foi superior nos pontos importantes. O número 2 do mundo também falou sobre sua reclamação em quadra com a torcida, que teria o atrapalhando em um momento crucial no saque, embora tenha deixado claro que não foi por isso que perdeu.

“O que aconteceu é que quando estava sacando em 2/4 e 30-40, um pouco antes de concretizar meu serviço, alguém gritou alguma coisa e já não tinha como recolher o movimento. Fiz o saque e o retorno veio muito rápido. Não foi isso que me fez perder o ponto, mas é algo que te distrai. Fiquei bravo porque era um momento crucial, foi de propósito e não foi legal", comentou o russo.

Em um jogo tão equilibrado, Medvedev acredita que não jogou tão bem nos pontos importantes. “Novak me superou nos momentos cruciais. Isso é o que eu não consegui fazer hoje. Ele jogou bem a partida inteira. Tive algumas oportunidades de me recuperar, principalmente no segundo set, mas não consegui. Poderia ter feito melhor em alguns pontos cruciais”, analisou.

“No geral, foi uma partida realmente ótima, com muitos pontos bons onde ele foi um pouco melhor, principalmente nos voleios e nos pontos importantes. Isso fez a grande diferença. Fui melhor no primeiro set e foi por isso que eu ganhei, mas não consegui fazer o mesmo no segundo e no terceiro”, complementou o vice-líder do ranking.

Medvedev também destacou a grande temporada que Djokovic teve em 2021, na qual conseguiu atingir várias marcas e por pouco não venceu os quatro Grand Slam. “Só este ano ele bateu os recordes de semanas como número 1 por muito, chegou aos 20 títulos nos quatro principais torneios do circuito e quase fez o Grand Slam de calendário”, disse o russo.

Questionado sobre a comparação de Djokovic com os outros integrantes do Big 3, o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer, o russo disse entender que alguns ainda coloquem Djokovic abaixo, embora nos números ele esteja acima ou no mesmo patamar de seus rivais.

“Sinto que as pessoas começam a ver o que ele fez e a ver que é capaz de fazer mais. Ainda não saberemos até onde pode chegar. Eu não vi (Pete) Sampras jogar, era muito jovem, mas ouvi dizer que ele foi incrível. Vai ser o mesmo (com Djokovic), haverá gente nova chegando ao tênis que vai apenas ler na Wikipedia, ou seja lá onde, que ele foi o recordista de semanas como número 1 e o que terminou mais temporadas na ponta. É quando as pessoas vão começar a entender que o que ele fez é incrível”, finalizou.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva