Notícias | Dia a dia
Cervara: Medvedev se recusou a mudar devolução
18/09/2021 às 13h05

Paris (França) - O técnico do novo campeão de Grand Slam, o russo Daniil Medvedev, tentou fazer mudança na devolução de saque do pupilo, mas desistiu e hoje se diz satisfeito por ter aceitado a recusa. O francês Gilles Cervara, em entrevista ao site Tennis Majors, falou da emoção na vitória sobre Novak Djokovic, diz que muito trabalho ainda precisa ser feito para pensar em novas conquistas, mas acredita que Medvedev possa ganhar Wimbledon em 2022.

"Assim como eu disse quando ganhamos o primeiro ATP e o primeiro Masters, esta é uma etapa", afirmou o treinador sobre a vitória no US Open. "Claro que agora é um passo mais amplo, porque entrou na lista dos campeões de Slam, ainda que seja ridículo comparar com os que têm 20. Minha emoção foi indescritível, levantei os braços aos céus com uma sensação de alegria que só tive quando a França ganhou a Copa do Mundo de 1998".

Para Cervara, ainda há muito o que fazer e ele já pensa nos treinamentos e aspectos que tornem o jogo do russo mais potente, porém sabe que não é a hora certa. "Daniil tem agora de saborear a conquista. Está de férias antes de jogar a Laver Cup". O torneio amistoso entre equipes da Europa e Resto do Mundo acontece no final da próxima semana.

Questionado sobre o que mudou entre a derrota para Djokovic na final do Australian Open e o desempenho perfeito em Nova York, o técnico admite que era uma questão mental. "Faltava uma certa energia. Ele vinha de dois jogos muito difíceis, contra Rublev e Tsitsipas, e sinto que acreditou que aquele nível seria suficiente, mas foi um erro crasso. Todos da equipe entendemos isso depois e foi essencial nesta nova oportunidade, nos preparamos para enfrentar Novak que é de um outro nível".

O saque foi a principal arma de Medvedev ao longo de todo o US Open. "Não diria que a final foi o melhor jogo da vida do russo. Ele certamente não estava no melhor nível quando chegamos a Nova York e aí precisamos trabalhar em todas as áreas. Ficou claro que ele pode dar um ace cada vez que tente um saque; seu percentual esteve muito estável. Quando se viu num 0-30 ou 15-40, sabia que poderia reagir com o saque e isso o deixou muito forte".

A devolução de saque do número 2 do mundo é algo fora do padrão, já que se posiciona muito atrás da linha. Cervara conta que tentou mudar isso e depois percebeu que não daria certo: "Eu achava que seria impossível para ele ganhar deixando os ângulos tão abertos e tentei fazê-lo jogar mais perto da linha, mas ele se recusou. Dizia que as coisas não iriam funcionar e eu tive a inteligência de escutá-lo. Não seria certo descontruir algo que ele adaptou por seu tamanho e visão de quadra. A estatística mostra que é um golpe muito efetivo".

O técnico afirma que ganhar novos troféus de Slam é o objetivo principal. "Para isso ou para ser o número 1 do mundo devemos alcançar objetivos concretos diários, melhorar muitas coisas o tempo todo. Vamos tentar e, se tudo corre bem, poderemos comemorar. Eu diria hoje que Daniil não é capaz de ganhar Roland Garros em 2022, mas Wimbledon, sim".

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva