Notícias | Dia a dia | US Open
'Não pensava em nada além do jogo', diz Raducanu
12/09/2021 às 00h02

Britânica diz que o segredo foi focar apenas em seu plano de jogo em quadra

Foto: Darren Carroll/USTA

Nova York (EUA) - Horas depois de conquistar seu primeiro título de Grand Slam no US Open, Emma Raducanu comentou que o principal trunfo para vencer um torneio desta magnitude com tão pouca idade foi bloquear todos os pensamentos em fatores externos e concentrar-se apenas em seu plano de jogo. Foi assim que a britânica de apenas 18 anos, e que começou o torneio como 150ª do ranking, construiu uma incrível sequência de dez vitórias seguidas sem perder sets desde o qualificatório até a título em Nova York. É a primeira vez que um Grand Slam tem uma campeã vinda do quali.

"Acho que a maior vitória para mim foi não pensar em absolutamente mais nada, exceto no meu plano de jogo e no que eu precisaria executar. Eu realmente não pensei em nada além do que estava acontecendo na quadra. Todas as coisas externas, eu simplesmente bloqueei e foquei no meu ofício", disse Raducanu após a vitória na final deste sábado contra a canadense Leylah Fernandez, 73ª colocada, por 6/3 e 6/4.

"Desde o começo eu sabia que seria uma partida extremamente difícil porque a Leylah jogou um tênis inacreditável no torneio, eliminando muitas jogadoras do top 10. Eu estava apenas tentando me concentrar o máximo possível em um ponto de cada vez. Houve algumas batalhas muito duras e eu tive que enfrentar algumas adversidade em ambos os sets. Estou muito orgulhosa de como consegui me manter firme e me sair bem no final", explicou a britânica, destacando também a caminhada que Fernandez teve, eliminando nomes como Naomi Osaka, Angelique Kerber, Elina Svitolina e Aryna Sabalenka.

Raducanu é a primeira britânica a vencer um Grand Slam desde de Virginia Wade no ano de 1977 em Wimbledon. Wade também havia sido a única britânica a vencer o US Open na Era Aberta, em 1968. "A Virginia Wade alcançou ótimos resultados. Ela é uma lenda absoluta e estava assistindo minha partida. Fiquei super honrada com isso. Mas não sinto absolutamente nenhuma pressão. Tenho apenas 18 anos e estou apenas jogando livre de qualquer coisa que vier em meu caminho. Foi assim que enfrentei todas as minhas partidas aqui nos Estados Unidos e consegui este troféu. Então não acho que devo mudar nada".

A campanha em Nova York fará Raducanu saltar 127 posições no ranking, do 150º para o 23º lugar. Perguntada sobre o quanto a conquista de um Grand Slam pode mudar sua vida, ela acredita que ainda não é hora de pensar nisso e apenas curtir o momento. "Não pensei em nada disso, para ser honesta. Após a partida, eu apenas tomei banho e mantive a mesma rotina de sempre. Não estou nem pensando em quando vou para casa, não faço ideia nem do que vou fazer amanhã. Estou apenas tentando curtir o momento. Acho que é a hora de simplesmente desligar quaisquer pensamentos futuros ou planos, qualquer programação. Neste momento, estou sem preocupação alguma, apenas amando a vida".

"Eu ainda não verifiquei meu telefone. Não tenho absolutamente nenhuma ideia do que está acontecendo fora do pequeno mundo em que estamos aqui. Acho que hoje a gente só precisa mesmo ficar desligado de tudo e curtir como uma equipe, porque foi um esforço de toda a equipe. Eu não cheguei aqui sozinha. Cada pessoa que está aqui comigo me ajudou ao longo do caminho e desempenhou um papel importante", acrescenta e jogadora que tem pai romeno, mãe chinesa, nasceu no Canadá, mas teve toda sua formação como tenista no Reino Unido. A família se mudou para Londres quando ela tinha apenas dois anos.

A britânica também se lembrou dos dois match-points que perdeu no saque de Fernandez, quando liderava o segundo set por 5/3, antes de fechar o jogo no game seguinte. "Sei que tive match-points no saque da Leylah, mas para mim eu só pensava que era um bônus, porque era ela quem estava sacando. Ela poderia jogar bons pontos porque é uma grande jogadora. Eu tive uma chance com um forehand no meio da quadra e arrisquei, porque foi isso que me colocou naquela posição de ter um match point, mas errei.

"Já quando eu estava sacando para jogo, acho que enfrentei dois break-points antes. E no match point, acho que não havia feito nenhum saque tão aberto em toda a partida, para ser honesta. Eu só pensava: 'Se eu conseguir, essa vai ser a hora (sorrindo). Eu literalmente levantei minhas pernas para o toss como nunca antes e consegui. Depois, desabei tentando absorver tudo, o momento todo. A atmosfera estava absolutamente incrível hoje. Fiquei muito surpresa com a quantidade de torcedores, para ser sincera. Mas eu estava realmente amando jogar na frente da multidão e dos fãs de novo".

Comentários