Notícias | Dia a dia | US Open
Djokovic triunfa em 5 sets e fica mais perto do 21º Slam
11/09/2021 às 00h08

Djokovic agora só precisa de mais uma vitória para ser o recordista de títulos de Grand Slam

Foto: Garrett Ellwood/USTA

Nova York (EUA) - Falta apenas uma vitória para que Novak Djokovic complete com sucesso suas duas missões neste US Open, conquistar o 21º título de Grand Slam da carreira e terminar a temporada tendo vencido todos os quatro principais torneios do tênis mundial. Campeão no Australian Open, de Roland Garros e também de Wimbledon em 2021, o sérvio também garantiu seu lugar na final em Nova York. Djokovic superou nesta sexta-feira o alemão Alexander Zverev, número 4 do mundo, ao marcar as parciais de 4/6, 6/2, 6/4, 4/6 e 6/2 em 3h33 de partida.

Três vezes campeão do US Open, nos anos de 2011, 2015 e 2018, Djokovic está empatado com seus principais rivais, Roger Federer e Rafael Nadal em número de títulos de Grand Slam. Cada um dos três possui 20 conquistas deste porte. Além disso, pode repetir a façanha de Rod Laver, último homem a triunfar nos quatro grandes palcos em uma mesma temporada. Isso aconteceu em 1969. Já entre as mulheres, a última a conseguir esse feito foi Steffi Graf em 1988, ano em que também foi medalhista olímpica de ouro em Seul.

Para conseguir esse novo feito histórico para o tênis, Djokovic terá que vencer no domingo o russo Daniil Medvedev. Será um encontro entre os números 1 e 2 do mundo e também a reedição da final do Australian Open. O sérvio de 34 anos lidera por 5 a 3 o histórico de confrontos contra o russo. O último encontro entre eles foi justamente a decisão do Grand Slam australiano no início da temporada. Medvedev, de 25 anos, disputa a terceira final de Slam na carreira e busca o maior título da carreira.

Djokovic também acabou com uma invencibilidade de 16 jogos de Zverev no circuito. A série invicta do alemão começou durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, em que ele foi o medalhista de ouro, e passou também pelo título do Masters 1000 de Cincinnati até chegar à semifinal em Nova York. O sérvio havia perdido para Zverev na semifinal olímpica e saiu do Japão sem medalhas. O alemão de 24 anos e finalista do US Open em 2020 permanece sem títulos de Grand Slam e disputou sua quarta semifinal neste nível de competição.

Quarta virada seguida de Djokovic no torneio
Esta foi a quarta virada seguida de Djokovic durante o US Open. O sérvio vinha de outras três vitórias por 3 sets a 1 depois de ter perdido o primeiro set para Kei Nishikori na terceira rodada, Jenson Brooksby nas oitavas e Matteo Berrettini nas quartas. Ele também precisou de quatro sets para vencer o dinamarquês de 18 anos Holger Rune na primeira rodada. Sua única vitória por 3 a 0 no torneio foi na segunda rodada, diante do holandês Tallon Griekspoor.

O primeiro set desta sexta-feira teve apenas uma quebra, obtida por Zverev já no penúltimo game da parcial, depois de uma dupla falta de Djokovic. O alemão não teve o saque ameaçado, já que cedeu apenas cinco pontos em seus games de serviço. Já o sérvio, apesar de ter colocado 82% de primeiros serviços em quadra no set inicial e vencido 78% dos pontos jogados nessas condições, encarou break-points em dois games distintos, até permitir a quebra a Zverev.

Djokovic se aproveitou de uma breve queda de intensidade de Zverev na partida para ser muito superior durante o segundo set. Desta vez, foi o sérvio quem não enfrentou break-points e ainda conseguiu duas quebras de serviço, uma delas depois de uma dupla falta do alemão. O número 1 do mundo cometeu apenas sete erros não-forçados no set contra 13 de seu adversário. Zverev só colocou 55% de primeiros serviços em quadra durante a parcial e fez apenas 30% dos pontos quando dependeu do segundo saque.

Partida teve um rali com 53 trocas de bola
Logo na abertura do terceiro set, Djokovic precisou escapar de um break-point. Pouco depois, com o placar empatado por 2/2, reverteu um 15-40 encaixando dois ótimos saques abertos. O sérvio não vinha tendo chances de ameaçar o saque do alemão até o momento em que liderou o placar por 5/4.

A um game de fechar o set, Djokovic fez um game de ralis longos e tentou correr menos riscos, variando entre o backhand batido e alguns slices, esperando o momento certo de partir para a definição de cada ponto. Assim, chegou a 0-40 no saque de Zverev. O alemão salvou os dois primeiros set-points, um deles em um incrível rali com 53 trocas de bola, mas não evitou a perda da parcial no ponto seguinte.

O jogo que parecia caminhar para mais uma vitória por 3 sets a 1 para Djokovic teve nova reviravolta no início do quarto set, quando Zverev conseguiu uma quebra de serviço. Apesar de ter feito apenas dois aces na parcial, o alemão voltava a sacar bem, com 71% de primeiros serviços em quadra e só sete pontos perdidos no saque. O número 1 do mundo não teve chance alguma de devolver a quebra.

Mas a reação de Zverev parou por aí. Djokovic conseguiu uma quebra muito cedo no quinto set depois de vencer mais um ponto brilhante, utilizando ótimos slices de backhand até trazer o alemão para a rede e aplicar a passada. Com dois ótimos games de saque, abriu 3/0 sem dar chances. No game seguinte, Zverev foi quebrado de novo, errando um smash no break-point. Foi a deixa para que o líder do ranking mundial caminhasse tranquilo o fim do jogo. O alemão escapou de um 'pneu', quando já perdia por 5/0, e devolveu uma das quebras, mas não evitou a 27ª vitória consecutiva de Novak Djokovic em Grand Slam na temporada. Falta uma. 

Comentários