Notícias | Dia a dia | US Open
Djokovic espera deixar um legado além dos títulos
05/09/2021 às 09h34

Nova York (EUA) - Maior líder da história do ranking da ATP com suas 336 semanas na ponta e contando, Novak Djokovic pode se isolar como o maior campeão de Grand Slam entre os homens se vencer este US Open e ainda conseguir o feito raro que é vencer os quatro maiores títulos do circuito no mesmo ano. Porém, o sérvio espera poder deixar um legado que vá além apenas de suas conquistas.

“Eu gostaria que as pessoas, especialmente meus colegas tenistas, tanto do lado masculino quanto do feminino, se lembrassem de mim como alguém que antes de tudo deixou o seu coração na quadra e possa ter inspirado os jogadores a melhorar e acreditar mais em si mesmos”, afirmou o número 1 do mundo depois de sua vitória de virada sobre o japonês Kei Nishikori na terceira rodada do US Open.

“Também alguém que realmente tenta viver de acordo com os verdadeiros valores da vida: respeitar e ser grato, valorizar o momento, valorizar o fato de estar praticando o esporte que amo e no qual tenho muito sucesso. Em suma, adoraria ser lembrado como alguém que, antes de tudo, foi um bom ser humano, alguém que respeitam como pessoa e que tem bom caráter. Tudo isso antes do tenista”, completou Djokovic.

Ao analisar o bom duelo travado com Nishikori, no qual levou a melhor sobre o japonês pela 18º vez, o sérvio falou que foi uma batalha difícil. “Até agora, foi a partida mais difícil do torneio para mim. O ritmo da bola e a velocidade do tênis de Nishikori hoje foram um pouco maiores do que os adversários das duas primeiras rodadas”, observou o líder do ranking, que elogiou bastante o desempenho do japonês.

“Estava parado perto da linha e não estava errando muito. Normalmente ele joga um tênis de alto risco. Acho que jogou muito bem e não me deu muito tempo. Ele queria me deixar desconfortável e na defensiva. Conseguiu fazer isso por talvez um set, set e meio. Depois que me adaptei ao ritmo de sua bola, me senti melhor na quadra”, comentou Djokovic.

O sérvio destacou que a partir do momento que entendeu o jogo, as coisas deslancharam. “Senti então que passei a ter mais ímpeto e o controle da partida. Saquei bem quando precisei e mesmo depois que passei à frente no placar continuei pressionando em seus jogos de serviço. No geral, foi um tênis de alto nível de nós dois”, encerrou.

Comentários