Notícias | Dia a dia
Stefani: 'Disse a Gaby que ela pode chegar ao nº 1'
19/08/2021 às 21h35

Stefani está com o melhor ranking na carreira, enquanto Dabrowski tenta voltar ao top 10

Foto: Omnium Banque Nationale

* Atualizado às 21h35 com definição de adversárias da semifinal

Cincinnati (EUA) -
Em ótimo momento nas competições de duplas no circuito, Luísa Stefani tem bastante confiança no potencial de sua parceira, a canadense Gabriela Dabrowski. Nas últimas três semanas, a parceira disputou a final em San Jose, conquistou o título em Montréal e já está na semifinal em Cincinnati. Stefani está com o melhor ranking da carreira, no 19º lugar, enquanto Dabrowski ocupa a 13ª posição e já foi número 7 do mundo em 2018. E a brasileira acredita que a parceira pode chegar ao topo do ranking.

"Sempre fui uma grande fã do jogo dela. Estou feliz com os resultados, mas não vou dizer que estou surpresa. Acho que ela poderia ser a número 1 no mundo e disse isso a ela quando não ainda estávamos jogando juntas", disse Stefani, em entrevista ao site da WTA. "Então, se ela conseguir enquanto estamos jogando juntas, não vou reclamar (risos). Acho que é esse o nosso objetivo, mas principalmente continuar melhorando e nos divertindo é o mais importante agora".

Stefani: 'Desde Tóquio, alguma chavinha mudou'
+ Dabrowski se encanta com versatilidade de Stefani
+ Stefani quer incentivar meninas e evoluir em simples

Medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Stefani tem em mente que o resultado histórico para o tênis brasileiro ao lado de Laura Pigossi trouxe novas perspectivas. "Depois de Tóquio e daquela pressão para salvar quatro match-points pela medalha de bronze, acho que aprendi algumas coisas sobre mim e sobre meu jogo que nunca havia sentido antes. É difícil explicar os sentimentos e emoções pelos quais passei e ainda estou passando depois daquela semana. Estou feliz com o quanto aprendi e ainda estou aproveitando isso".

"A vida passa por fases e estou numa boa fase. Então, estou apenas tentando aproveitar e deixar isso durar o máximo possível. A principal frase que ficou comigo naquela semana é: 'jogar pelo amor, não pelos resultados'. Eu repasso isso na minha cabeça todos os dias. Estou apenas tentando me agarrar a isso o máximo possível e, obviamente, mirar alto para onde queremos chegar. Vou tentar não perder isso se perdermos uma partida em um torneio", comenta a paulistana de 24 anos.

Parceria continua até o fim da temporada
A parceria com Dabrowski surgiu depois que a norte-americana Hayley Carter, que vinha atuando ao lado de Stefani no circuito nas últimas temporadas, sofreu uma lesão no pé e precisou ficar algumas semanas afastada do circuito. Com isso, a brasileira definiu que estará ao lado da canadense até o fim da temporada. Carter conseguiu voltar às quadras nesta semana em Cincinnati e também disputará o US Open, com a australiana Astra Sharma, antes de avaliar se precisa de uma nova pausa nas competições para tratar da lesão. A norte-americana também vai atuar como treinadora na Universidade de Vanderbilt enquanto estiver sem jogar.

"Eu estava jogando com Hay há bastante tempo. Passamos momentos incríveis na quadra e fora dela. Eu sinto que gosto de jogar com minhas amigas, e elas são duas das minhas amigas mais próximas. Eu as admiro dentro e fora da quadra e nós nos divertimos muito. Eu os vejo como pessoas também, como humanos, e continuo aprendendo com elas. Talvez seja por isso que sinto que tenho grande sucesso, ótimos resultados", comenta Stefani, que ganhou seus dois primeiros títulos de WTA ao lado de Carter, em Tashkent (2019) e Lexington (2020), além de ter disputado três finais com ela este ano.

"É incrível jogar com a Gaby. Vamos continuar pelo resto da temporada. E depois o futuro, não sei. Acho que no tênis temos que nos adaptar o tempo todo. Uma das coisas que mais procuro fazer é aproveitar ao máximo o que tenho no momento. Eu me sinto melhor quando faço isso. Acho que é assim que estou encarando essa parceria. Estou ansiosa para continuar e então veremos no que vai dar".

Semifinal contra campeãs olímpicas

Depois de uma vitória nas quartas por duplo 6/3 contra as japonesas Shuko Aoyama e Ena Shibahara, cabeças 3 do torneio e segunda melhor dupla na temporada, Stefani e Dabrowski terão outro jogo duríssimo. Elas enfrentam as tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, atuais campeãs olímpicas e de Roland Garros, e melhor dupla do ano. As tchecas venceram a norte-americana Bethanie Mattek-Sands e a polonesa Iga Swiatek por 6/4 e 6/3 nesta quinta-feira.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva