Notícias | Dia a dia
Svitolina consegue difícil virada e fica com o bronze
31/07/2021 às 09h25

Svitolina perdia por 6/1 e 3/1, mas conseguiu reverter o domínio da rival

Foto: Kopatsch/Sato/Sidorjak

Tóquio (Japão) - A disputa pela medalha de bronze na chave feminina de simples em Tóquio foi marcada por uma difícil virada de Elina Svitolina. Depois de ser dominada no início da partida, a ucraniana conseguiu a virada diante da cazaque Elena Rybakina e venceu uma batalha de 2h24, com parciais de 1/6, 7/6 (7-5) e 6/4.

"Com certeza, o meu objetivo aqui era ganhar uma medalha de ouro, e foi extremamente difícil tentar me reagrupar depois de ter perdido a semifinal", disse Svitolina, que havia perdido a semifinal para a tcheca Marketa Vondrousova. "Vencer uma batalha tão grande pela medalha de bronze significa muito para mim. Todo mundo na Ucrânia está assistindo. Nós não ganhamos tantas medalhas, então, com certeza, é muito especial para mim e para meu país".

Svitolina, de 26 anos e número 6 do mundo, é a primeira tenista da Ucrânia a conquistar uma medalha olímpica. Ela tem uma carreira consolidada, com 15 títulos no circuito da WTA, com destaque para o Finals em 2018. Em Tóquio, ela fez sua segunda participação olímpica, depois de ter atingido as quartas de final no Rio de Janeiro em 2016. Recém-casada com o também tenista Gael Monfils, ela vai manter o nome no circuito até o fim da carreira. Já Rybakina, de 22 anos e 20ª do ranking, disputou os Jogos pela primeira vez na carreira.

O início de partida foi excelente para Rybakina. Apesar de a cazaque ter escapado de dois break-points logo de cara, ela conseguiu pressionar o saque da adversária e dominar as ações do fundo de quadra para vencer cinco games seguidos. A cazaque chegou a fazer 9 a 3 em winners durante a parcial.

O domínio de Rybakina continuava no segundo set e a cazaque também foi a primeira a quebrar, chegando a liderar o placar por 3/1. Até então, ela não havia enfrentado break-points durante a parcial, mas Svitolina conseguiria devolver a quebra em um game muito longo para fazer 3/3. Depois disso, as sacadoras prevaleceram até o tiebreak sem sofrerem ameaças, até que a ucaniana definisse a parcial e empatasse a partida. O jogo muito agressivo da cazaque acabou custando 25 erros não-forçados, contra 7 da ucraniana no segundo set.

A perda da parcial não abalou a confiança de Rybakina, que abriu 3/0 no terceiro set e chegou a liderar por 4/1. Mas novamente, a solidez da ucraniana do fundo de quadra fez a diferença. Com apenas 10 erros não-forçados na parcial contra 20 da cazaque, a ucraniana foi paciente para construir os pontos e esperar por suas oportunidades, que apareceram. Svitolina conseguiu duas quebras seguidas e virou para 5/4. Sacando para o jogo, precisou de sete match-points até finalmente conquistar sua tão sonhada medalha olímpica.

A ucraniana também reconhece que precisou apagar os pensamentos negativos para conseguir a virada. "Muitas coisas passaram pela minha cabeça, honestamente. Isso acontece quando você erra muito no primeiro set ou sofre muitas quebras. Meu segredo é superar esses pensamentos ruins e focar em algo mais positivo, para que eu pudesse deixar as coisas ruins para trás. Fiquei chateado no começo do jogo, mas voltei e me recompus. Foi uma batalha para mim, mas lutar pela medalha de bronze significava muito para mim e estava focada nisso".

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva