Notícias | Dia a dia
Laura: 'Não jogamos por nós, mas por uma nação'
27/07/2021 às 15h33

Stefani e Pigossi estão nas quartas de final e vai desafiar as norte-americanas Mattek-Sands e Pegula

Foto: Gaspar Nóbrega/COB
Felipe Priante
De Tóquio, especial para TenisBrasil

Tóquio (Japão) - A parceria de Luísa Stafani e Laura Pigossi entrou de última hora nos Jogos Olímpicos de Tóquio, mas tem feito valer a classificação para o torneio. Depois de derrubarem as favoritas canadenses na estreia, nesta terça-feira elas bateram de virada as tchecas Karolina Pliskiva e Merketa Vondrousova com direito a quatro match-points salvos. Com isso, elas garantem a melhor campanha da história do tênis feminino brasileiro em Olimpíadas. 

“Jogamos todos os pontos como se fossem os últimos e na verdade poderiam ser. Só sei que dei na bola quando ela vinha, sempre tentando achar a melhor maneira possível”, falou Laura sobre os match-points enfrentados no desempate final.

“Foi um baita jogo e um pouco aquela sensação de alívio porque esse match-tiebreak poderia ir para qualquer lado. Nesse tipo de competição não importa contra quem a gente jogue, estamos aqui para vencer pelo Brasil e dar o melhor em todos os pontos”, comemorou Luísa, que também estará na chave de duplas mistas ao lado do mineiro Marcelo Melo.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Laura Pigossi 🧿 (@laurapigossi)

Stefani e Melo terão a árdua missão de encarar a dupla sérvia de Novak Djokovic e Nina Stojanivic na primeira rodada. “Será uma honra poder competir com ele, mas quero dar muito essa vitória para o Melo, que teve uma primeira rodada muito dura (nas duplas com Demoliner)”, comentou a paulista de 23 anos. 

Sempre elétrica e a mais ativa da dupla durante o jogo, principalmente nas viradas de quadra e na hora de comemorar os pontos importantes, Pigossi destacou a importância de defender o Brasil. “A música que a gente escuta antes de entrar na quadra é o hino do Brasil, aí já arrepia tudo e nos jogamos com a alma. A gente joga por uma nação, não jogamos pela gente”, comentou.

“A gente vendo os outros atletas ganhando medalha nos inspira a também querer uma e acreditar que podemos. Hoje estávamos saindo para o jogo e recebemos boa sorte do Bruninho (do vôlei) e das meninas do skate. Isso dá uma motivação extra”, finalizou Laura.

Comentários
Loja - camisetas
Torneio Teodózio