Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Berrettini destaca consistência: 'No caminho certo'
11/07/2021 às 16h41

Berrettini acredita que está conseguindo aos poucos diminuir a diferença para os grandes nomes

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Depois de disputar sua primeira final de Grand Slam em Wimbledon, Matteo Berrettini destacou sua consistência na elite do circuito. O italiano de 25 anos e número 9 do mundo sente que seu nível está cada vez alto, já que consegue confirmar seu favoritismo contra a maior parte dos adversários e tem esbarrado somente nos grandes. Superado pelo número 1 do mundo Novak Djokovic na decisão deste domingo, Berrettini acredita que está conseguindo aos poucos diminuir a diferença para os maiores campeões do tênis mundial.

"O mais importante para mim é que agora estou perdendo para os melhores jogadores do mundo. Em Paris, eu também perdi para ele, e ele ganhou o torneio. No ATP de Queen's, eu fui campeão, e agora perdi contra ele de novo aqui. Isso significa que meu nível está crescendo", disse Berrettini, após a derrota para Djokovic por 6/7 (4-7), 6/4, 6/4 e 6/3 neste domingo.

"Significa que minhas armas e meu tênis, em geral, estão melhorando. Esse é o caminho certo, estou fazendo as coisas certas. Sinto que eu mereço estar aqui. Hoje, novamente, Novak foi o melhor jogador em quadra, mas estou chegando mais perto. Cada partida que estou jogando contra eles me ajuda a ficar mais perto", avalia o italiano, que foi o primeiro jogador de seu país a disputar uma final de Wimbledon.

'Preciso de mais jogos como o de hoje', diz o italiano
Antes dessa ótima campanha em Londres, o melhor resultado de Berrettini em um Grand Slam havia sido a semifinal do US Open de 2019. "Eu só preciso de mais partidas como a de hoje e de experiências como essa. Foi o que eu disse para a minha equipe. Obviamente também sinto um pouco de raiva e desapontamento agora, mas foram duas semanas inacreditáveis. Cheguei à final aqui e sei que posso ganhar esse título. Não tenho certeza se vou fazer isso, mas sei que posso. Então é isso que vou fazer nas próximas semanas, nos próximos meses e anos: tentar levantar o troféu".

Berrettini reconhece que não repetiu o mesmo de atuação das últimas partidas. Ele vinha invicto há 11 jogos na grama, mas creditou sua queda de rendimento à grande atuação de Djokovic. "Acho que não fiz a minha melhor partida, mas devo dizer que é graças a Novak. Ele me fez jogar dessa forma e essa é provavelmente a sua força. É por isso que ele é um dos melhores da história. Eu diria que em termos de tática, ele provavelmente é o melhor jogador junto com o Roger [Federer]".

"Ele fica estudando seu jogo e depois vai se ajustando durante a partida. Não é algo fácil de fazer. Ele jogou sua 30ª final hoje e eu joguei minha primeira. Ele sabia como lidar com todos os sentimentos e emoções em quadra. Isso é algo normal para ele. É por isso que disse que preciso de jogos como o de hoje. Parabéns a ele".

Comentários