Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Domingo histórico para a Itália motiva Berrettini
09/07/2021 às 19h02

Berrettini recomenda aos italianos comprarem uma boa TV para as finais no domingo

Foto: AELTC

Londres (Inglaterra) - O domingo histórico para o esporte italiano em Londres motiva Matteo Berrettini para conquistar seu primeiro título de Grand Slam. Primeiro atleta de seu país a alcançar uma final de Wimbledon, Berrettini enfrentará o número 1 do mundo Novak Djokovic às 10h (de Brasília) do domingo. Seis horas mais tarde, será a vez de a seleção italiana de futebol enfrentar a anfitriã Inglaterra no estádio de Wembley, pela final da Euro.

"É um ótimo dia do nosso esporte. Estou muito feliz que, junto com o futebol agora, sejamos um dos maiores esportes da Itália", disse Berrettini. "Eu diria para os italianos comprarem uma boa TV, caso ainda não tenham feito isso, porque será um domingo especial para todos nós".

+ Berrettini: 'Sabia que poderia ir longe em Wimbledon'
+ Ótimo aproveitamento na grama anima Berrettini
+ Berrettini destaca sucesso de nova geração italiana

"Isso nunca havia acontecido no tênis, e portanto é algo que ninguém esperava. Já no futebol, não nos classificamos para a última Copa do Mundo, mas depois disso, por todo o trabalho que eles fizeram, acho que merecem muito estar nessa final", explica o jogador de 25 anos. "Obviamente vou pensar primeiro no meu jogo e que acontecerá antes. Depois, provavelmente, terei a chance de assisti-los".

Berrettini alcança a final de Wimbledon carregando uma invencibilidade de 11 jogos na grama, já que venceu o ATP 500 de Queen's há três semanas. Além disso, o italiano venceu 22 dos últimos 24 jogos que disputou no piso. Ele busca uma vitória inédita contra Djokovic, para quem perdeu nos dois duelos anteriores. "Eu sabia que poderia chegar até aqui, mas não pensava que fosse fazer isso, porque é assim que eu sou. Dei cada passo com muito cuidado e devagar. Acho que foi a coisa certa. Obviamente, o trabalho ainda não acabou. Agora que estou aqui, quero ganhar o troféu".

O atual número 9 do mundo também comemorou o bom desempenho na semifinal contra o polonês Hubert Hurkacz, 18º colocado, em que venceu por 6/3, 6/0, 6/7 (3-7) e 6/4. "Estou muito feliz pelo meu desempenho. Principalmente depois do terceiro set. Eu senti que poderia ganhar aquele set e já vencer a partida ali e não aconteceu. Mas disse a mim mesmo: 'Você está jogando melhor do que ele, então continue assim e você vai ganhar'. Estou muito feliz por isso e acho que mereço estar na final".

"Meu ano começou bem, ajudando a Itália a chegar à final da ATP Cup. Então eu me machuquei novamente. Eu meio que vi aqueles fantasmas de novo em meu corpo lutando. E mais uma vez, voltei mais forte", explica o italiano, que sofreu uma lesão muscular na região abdominal durante o Australian Open. Mas depois disso, ele venceu os torneios de Belgrado e Queen's, além de ter disputado a final do Masters 1000 de Madri.

Berrettini pode se tornar apenas o terceiro homem italiano a ganhar um Grand Slam em simples, sendo o segundo na Era Aberta do tênis. Ainda na fase amadora do esporte, Nicola Pietrangeli foi bicampeão de Roland Garros em 1959 e 1960, já Adriano Panatta conquistou o Grand Slam parisiense em 1976.

Comentários