Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Sabalenka espera lidar melhor com a pressão nos Slam
08/07/2021 às 21h14

Semifinal de Wimbledon foi o melhor resultado de Sabalenka em um Grand Slam

Foto: AELTC

Londres (Inglaterra) - A queda na semifinal de Wimbledon encerrou a melhor participação de Aryna Sabalenka em um Grand Slam. Aos 23 anos, a atual número 4 do mundo tem uma carreira respeitável no circuito da WTA, já com 10 títulos conquistados, mas não conseguia repetir esse desempenho nos principais eventos do calendário. Sabalenka espera poder lidar melhor com a pressão nesse tipo de competição para que sua presença em fases finais seja mais frequente no futuro.

"Nos torneios antes de Wimbledon, eu não estava tão focada em vencer aqueles títulos. O objetivo era fazer as coisas certas que me ajudassem a ter sucesso nos Grand Slam. Então, eu estava trabalhando para isso e estou muito feliz que esteja funcionando agora", disse Sabalenka, que vinha de eliminações precoces nos torneios de Berlim e Eastbourne, durante a temporada de grama.

"Depois de cada Grand Slam, eu ficava muito decepcionada comigo mesma, porque não conseguia lidar com a pressão. Na verdade, eu pensei que nunca chegaria à segunda semana. Mas trabalhamos muito com meu psicólogo e com meu treinador", acrescenta a bielorussa, que nunca havia passado das oitavas em um Grand Slam e nem da segunda rodada de Wimbledon.

"Então, eu meio que aceitei essa situação de que estava sob pressão nos Grand Slam. E isso me ajuda a realmente ser capaz de mostrar meu nível na quadra. São coisas que parecem fáceis, mas na verdade não são simples de fazer", complementou a ainda jovem jogadora, que já venceu dois títulos na atual temporada, o WTA 500 de Abu Dhabi e o WTA 1000 de Madri.

A respeito da derrota de virada para Karolina Pliskova na semifinal desta quinta-feira, Sabalenka destaca a qualidade da tcheca nas devoluções de saque. Pliskova chegou a criar oito break-points no set inicial, sem conseguir aproveitá-los, mas depois foi precisa nas oportunidades que teve nas duas últimas parciais.

"Ela simplesmente devolveu como uma louca e eu não pude fazer nada. Nos games em que ela me quebrou, eu fiz tudo que podia. É dura derrota", disse a bielorrussa, após ser vencida por 5/7, 6/4 e 6/4. "Ela estava batendo reto na bola e usando bolas mais baixas. Ela me colocou sob pressão. E nas bolas cruzadas, ela era simplesmente melhor do que eu. Estava tentando jogar mais no meio para tirar esse golpe dela, mas não foi fácil ficar nos ralis".

Comentários