Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Murray luta e avança em Wimbledon após 4 anos
28/06/2021 às 17h54

Murray não vencia uma partida em Wimbledon desde 2017

Foto: LTA

Londres (Inglaterra) - Com uma atuação bastante animadora nos dois primeiros sets, mas com alguns momentos de oscilação depois disso, Andy Murray estreou com vitória em Wimbledon. Bicampeão do torneio em 2013 e 2016, o ex-número 1 do mundo fez valer o convite recebido pelos organizadores e despachou o georgiano Nikoloz Basilashvili, 28º do ranking e cabeça 24 em Londres, com parciais de 6/4, 6/3, 5/7 e 6/3 e 3h32 de partida.

Murray não vencia uma partida em Wimbledon desde 2017, ano em que começou a sofrer com as lesões no quadril, que o fizeram passar por duas cirurgias. Ele não atuou na edição de 2018 e disputou apenas as chaves de duplas masculinas e duplas mistas na edição mais recente do evento, ainda em 2019. Já sua vitória mais recente em um Grand Slam foi no US Open do ano passado, já que ele não atuou nem na Austrália e nem em Paris em 2021.

Atualmente apenas no 118º lugar do ranking aos 34 anos, Murray atuou em poucos torneios na atual temporada. Ele começou o ano jogando o challenger de Biella, em quadras duras e cobertas na Itália, e depois disputou os ATPs de Montpellier e Roterdã. Uma lesão na virilha o impediu de jogar em Miami e limitou sua temporada de saibro apenas à chave de duplas no Masters 1000 de Roma. Já na grama, caiu nas oitavas do ATP 500 de Queen's, há duas semanas.

Murray agora enfrenta o vencedor da partida entre o alemão Oscar Otte, 151º do ranking, e o francês Arthur Rinderknech, 109º colocado. Os dois jogadores vieram do quali e são adversários inéditos na carreira do britânico. Esse jogo foi suspenso por falta de luz natural quando o quinto set estava empatado por 9/9, após 3h38 de disputa. Rinderknech venceu a primeira parcial por 6/4, Otte fez 6/3 no segundo e 6/2 no terceiro, enquanto o francês fez 7/6 (7-5) no quarto set.

Britânico foi preciso no saque nos dois primeiros sets
Desde os primeiros games, Murray deu mostras daquilo que já vinha dizendo ao longo da temporada, de que sentia ter condições de ser competitivo na elite do circuito. Com ótimo desempenho no saque, o britânico disparou sete aces e não enfrentou um break-point sequer durante o set inicial e esperou pelas oportunidades até conseguir uma quebra no último game da parcial.

O britânico seguiu firme no saque durante o segundo set, ao marcar seis aces. Ainda assim, precisou escapar de break-points em dois games de saque distintos antes de finalmente quebrar pela segunda vez no jogo. Além de exibir um tênis consistente do fundo de quadra, Murray colhia bons frutos com sua grande variedade de golpes e definiu a parcial com uma excelente curtinha.

Virada incrível depois de 5/0 no terceiro set
No início do terceiro set, Murray brindou o público da Quadra Central de Wimbledon com um ótimo tênis e rapidamente abriu vantagem. O britânico conseguiu três quebras e via o adversário entregue do outro lado da rede. Sacando para o jogo, o ex-número 1 do mundo teve o serviço quebrado pela primeira vez na partida. Logo depois, Basilashvili fez um rapidíssimo game de saque para reduzir a diferença para 5/2. 

O placar ainda parecia confortável para Murray, que disparou dois aces em sua segunda chance de sacar para fechar, mas ainda assim sofreria uma nova quebra de serviço. Já com 5/3 no placar, o bicampeão de Wimbledon e teve uma nova chance, em um game com muitos erros do rival, mas Basilashvili salvou dois match-points com o saque e confirmou o serviço. Visivelmente pressionado, Murray ficou na defensiva e a passividade custou caro. Ele foi novamente quebrado na terceira chance de sacar para o jogo e viu o rival fechar o terceiro set ao vencer sete games seguidos.

Quarto set com teto fechado e luz artificial
Logo após a incrível reação de Basilashvili no terceiro set, a organização do torneio fez uma pausa na partida para o fechamento do teto retrátil e o acionamento do sistema de iluminação artificial para que o jogo continuasse. A paralisação durou aproximadamente 15 minutos. Na volta, Murray conseguiu uma quebra de serviço, permitiu o empate, e voltou a quebrar para fazer 2/1.

Depois disso, o britânico perdeu duas chances de ampliar a vantagem e ainda teve salvar um break-point no oitavo game até fazer 5/3. Disposto a não ter que sacar de novo para o jogo, o ex-número 1 do mundo tentou ser agressivo nas devoluções e colocar o rival sob pressão. Basilashvili até salvou mais um match-point, combinando o saque aberto e um forehand na paralela, mas Murray não deixou sua quarta chance escapar e venceu o jogo.

Comentários