Notícias | Dia a dia | Roland Garros
'Ainda não consigo acreditar', diz a campeã Krejcikova
14/06/2021 às 18h38

Paris (França) - Barbora Krejcikova ainda vai precisar de algum tempo para assimilar as consequências de sua campanha duplamente vitoriosa nesta edição de Roland Garros. A jogadora de 25 anos tornou-se a primeira tcheca a se sagrar campeã de simples do Grand Slam francês desde Hana Mandlikova in 1981. Além disso, é a primeira mulher a conquistar simples e duplas no torneio desde a francesa Mary Pierce em 2000. A seu lado na façanha estava Katerina Siniakova, parceira de longa data: elas conquistaram o bi em Roland Garros, o terceiro título da modalidade levando-se em consideração o seu título juvenil. Com isso, Krejcikova recuperou a liderança do ranking de duplas.

Nesta segunda-feira, a campeã tcheca cumpriu compromissos com a imprensa internacional, começando pela sessão de fotos diante da Torre Eiffel. Depois das entrevistas à imprensa, Krejcikova sentou-se para conversar com a reportagem do WTA Insider. “Estou extremamente feliz. É um sonho realizado. Ainda não consigo acreditar. Vai levar mais tempo. Até agora, estou realmente gostando de toda essa atenção. Nunca experimentei nada parecido. Tem sido divertido apreciar todas as mensagens recebidas dos meus fãs. Meu país inteiro estava me apoiando, li alguns artigos muito bons. Só espero que continue assim.”

Falando com franqueza, ela revelou a evolução na parte mental. “O que mais me orgulho é a parte mental porque para mim foi muito difícil. Você não gostaria de me ver antes das partidas, como eu entrava em pânico antes de cada jogo. Mas então, assim que pisei na quadra, eu simplesmente estava pronta para lutar. Não estava pensando no pânico ou que estava com medo, estressada ou algo assim. Isso foi algo que senti que eu realmente tinha que trabalhar. Acho que foi por isso que ganhei em simples, porque senti que mentalmente era capaz de realmente lidar com todas as situações que tive nestas duas semanas. Essa foi a maior chave.”

Mas há outros motivos para ela se orgulhar. “Estar realizando sonhos de minha família, de minha mãe. Ela realmente queria que eu jogasse e realmente queria que eu jogasse neste nível. Na quadra, depois que terminei, fiquei tipo, "Mãe, conseguimos. Realmente, conseguimos. Todo o trabalho e tudo o que fizemos, nós conseguimos. Você queria que eu fosse uma jogadora top e ganhei um Slam de simples. Eu apenas comecei a chorar. Foi muito emocionante. Liguei para minha mãe e ela ficou muito feliz e disse: "Eu também estava chorando. Eu realmente gostei." Meu pai também estava chorando. E eu lá pedindo para que tivessem cuidado com o coração, para manter a calma. Eu disse que quero a voltar e vê-los vivos.”

Comentários