Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Vajda: 'É bem possível que Djoko feche o Grand Slam'
14/06/2021 às 08h44

Paris (França) - A conquista do segundo título em Roland Garros não animou apenas o sérvio Novak Djokovic, que agora está de olho em Wimbledon e já sonhando com a possibilidade do ‘Goden Slam’. Para o treinador do número 1 do mundo, o eslovaco Marian Vajda, o pupilo tem boas chances de enfim vencer os quatro Grand Slam em uma mesma temporada após já ter levado os dois primeiros.

“Vejo ser bem possível que ele ganhe o Grand Slam. O que mais o preocupava era Roland Garros, mas tendo vencido e sabendo como se sente bem em Wimbledon e no US Open, parece viável que o faça, contanto que permaneça saudável. Seu grande objetivo no início do ano era ser um campeão olímpico e fechar o Slam. Ele elaborou um plano de treinamento específico para chegar em sua melhor forma nos três eventos restantes para alcançar este feito”, contou Vajda.

O treinador destacou a vitória sobre o espanhol Rafael Nadal nas semifinais, quando Djokovic se tornou o primeiro a bater o canhoto de Mallorca duas vezes no saibro parisiense. “Não dá para entender seu torneio sem a partida contra Rafa. Acho que foi uma das melhores semifinais da história desse torneio e todos da equipe estavam convencidos de que se ele ganhasse aquela partida acabaria sendo campeão”, comentou.

“Stefanos jogou em um nível incrível os dois primeiros sets, mas estávamos confiantes de que viria o melhor desempenho físico e técnico de Novak. Vencer Rafa deu a ele muita confiança. Contudo, me preocupou vê-lo um pouco apático no segundo set da final. Mas ele foi capaz de ir ponto a ponto, manteve um excelente nível por três sets e conseguiu alcançar uma vitória fantástica”, comemorou o técnico de Djokovic.

Vajda ainda falou da importância da experiência do sérvio em jogos de 5 sets. “Ele já disputou muitos quando jovem e aprendeu muito com isso”, observou o treinador, que ainda salientou a capacidade de adaptação do pupilo aos diferentes tipos de saibro durante a temporada.

“O que mais me surpreendeu foi sua capacidade de moldar seu jogo à superfície. Roland Garros representa o maior desafio para ele e tem conseguido encontrar um nível de jogo incrível. Acho que vencer em Belgrado na semana passada foi fundamental para chegar aqui muito bem mentalmente. Estou espantado com o quão profissional é, como se coloca sob pressão em cada treino para melhorar em todos os aspectos do jogo, ele sempre acredita que pode jogar melhor e é isso que o torna tão especial”, finalizou.

Comentários