Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Tsitsipas terá seu melhor ranking e encosta nos tops
11/06/2021 às 15h35

Paris (França) - Vivendo o melhor momento da carreira até então, o grego Stefanos Tsitsipas está cada vez mais se firmando no topo da ATP. Atual número 5 do mundo, ele já garantiu a quarta colocação no próximo ranking, graças à final alcançada em Roland Garros, sua primeira em Grand Slam, e pode subir ainda mais se for campeão.

No momento, Tsitsipas vai superando o austríaco Dominic Thiem para assumir o posto de número 4 do mundo, mas se o espanhol Rafael Nadal for derrotado pelo sérvio Novak Djokovic na outra semi e o grego depois conseguir bater o líder do ranking na decisão, ele deixará também o canhoto de Mallorca para trás e será o terceiro colocado.

Tsitsipas chega aos 7.980 pontos com a final em Paris e pode alcançar os 8.780 se for campeão. No momento, Djokovic estaria ficando com 10.833 e pode ir a 12.113 com o título, o russo Daniil Medvedev parou nos 10.143 e Nadal tem provisoriamente 8.630, com chance de 9.630 caso alcance seu 21º Slam.

Jogador com mais vitórias no ano, com 39, bem à frente do segundo, o russo Andrey Rublev, que tem 29, Tsitsipas é o líder na corrida para o ATP Finals, que conta apenas os pontos somados em 2021 e tem boa chance de seguir na ponta. Ele só não terminará Roland Garros como número 1 da temporada se Djokovic for campeão.

Finalista pela primeira vez em um dos quatro principais torneios do circuito, Tsitsipas perdera as três primeiras semifinais que jogou, sendo uma no ano passado em Roland Garros e outra neste no Australian Open. Apenas ele e Djokovic conseguiram chegar à penúltima rodada nos dois primeiros Slam de 2021, em um sinal da consistência do grego no ano.

A consistência do grego nesta primeira metade de temporada é tamanha que apenas em quatro torneios que disputou, exceto a ATP Cup, ele não conseguiu chegar ao menos às semifinais e apenas no Masters 1000 de Madri é que não alcançou sequer as quartas. Já são dois títulos em 2021 (Monte Carlo e Lyon) e mais dois vice-campeonatos (Acapulco e Barcelona).

Comentários