Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Osaka admite sofrer de depressão e desiste de RG
31/05/2021 às 15h05

Osaka chegou a ser ameaçada de desclassificação do torneio e suspensão dos próximos Grand Slam

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Paris (França) - A número 2 do mundo Naomi Osaka está fora de Roland Garros. Depois de toda a polêmica envolvendo sua não-participação em entrevistas coletivas, a japonesa de 23 anos decidiu deixar a competição. Em comunicado nas redes sociais, a vencedora de quatro títulos de Grand Slam revelou ainda que sofre de depressão desde o título do US Open de 2018. Ela diz que ficará algum tempo longe das quadras, mas espera poder voltar ao circuito em breve e discutir com dirigentes regras que tornem o ambiente mais saudável.

No último domingo, ela venceu sua partida de estreia contra a romena Patricia Tig por 6/4 e 7/6 (7-4). Ela não deu a entrevista coletiva obrigatória depois da partida e foi multada em US$ 15 mil pela organização do evento. Além disso, o comunicado assinado de forma conjunta pelos quatro Grand Slam dizia ainda que ela corria o risco de desclassificação do torneio e suspensão dos próximos Grand Slam. 

Com a desistência de Osaka, a romena Ana Bogdan vai diretamente para a terceira rodada de Roland Garros. Ela espera pela vencedora da partida entre a espanhola Paula Badosa, cabeça 33 do torneio e vinda de título em Belgrado, e a montenegrina Danka Kovinic.

Acompanhe o comunicado emitido por Osaka nesta segunda-feira.

Acho que a melhor coisa a fazer é desistir do torneio, assim todo mundo pode voltar a focar no tênis. Eu nunca quis ser uma distração e aceito que a minha mensagem poderia ter sido mais clara.

Mais importante, eu nunca exagerei em usar termo 'saúde mental'. A verdade é que eu tenho sofrido com longas crises de depressão desde o US Open de 2018 e tive muita dificuldade para lidar com isso.

Todo mundo sabe que eu sou introvertida e qualquer pessoa que me veja em um torneio vai notar que muitas vezes eu ando com fones de ouvido e isso me ajuda a lidar com a ansiedade.

Os jornalistas que cobrem tênis sempre foram educados comigo e eu gostaria de pedir desculpas a todos os bons jornalistas que eu possa ter machucado. Eu não sou uma pessoa que gosta de falar em público e fico muito ansiosa quando tenho que falar com a imprensa internacional. Eu fico muito nervosa e estressada enquanto tento dar as melhores respostas possíveis.

Então aqui em Paris, eu estava me sentindo muito ansiosa e vulnerável e pensei que a melhor forma de cuidar de mim seria não participar das entrevistas coletivas. Eu anunciei isso com antecedência, porque acredito que as regras estão datadas e que precisamos chamar atenção para isso.

De forma particular, eu peço desculpas para a organização do torneio e disse que gostaria de conversar com eles depois do torneio, já que o ambiente dos Grand Slam é muito intenso.

Vou passar um tempo fora das quadras agora, mas quando for a hora certa, eu gostaria de discutir maneiras de tornar as coisas melhores para as jogadores, para a imprensa e para os fãs. Espero que todos estejam bem e seguros. Amo a todos vocês.

Japonesa pode voltar ao circuito em Berlim ou Wimbledon
A princípio, o próximo torneio para o qual Osaka está inscrita é o WTA 500 de Berlim, que acontece entre os dias 14 e 20 de junho em casos de grama. O evento tem oito jogadoras do atual top 10 na lista de participantes. Caso ela não se sinta pronta para jogar na capital alemã, é possível que só retorne ao circuito em Wimbledon. O Grand Slam londrino começa em 28 de junho.

Comentários