Notícias | Dia a dia
Emocionada, Krejcikova dedica 1º título a Novotna
29/05/2021 às 12h05

Krejcikova vive ótimo momento em simples e está com o melhor ranking da carreira

Foto: Michel Grasso/Internationaux de Strasbourg
Mário Sérgio Cruz

Estrasburgo (França) - Ex-líder do ranking mundial de duplas e atual sétima colocada entre as especialistas na modalidade, a tcheca Barbora Krejcikova comemorou neste sábado sua primeira conquista no circuito individual. A jogadora de 25 anos conquistou o título do WTA 250 de Estrasburgo, no saibro francês, superando na final a experiente romena de 31 anos Sorana Cirstea por 6/3 e 6/4 em 1h32 de partida.

Krejcikova está com o melhor ranking de simples na carreira, ocupando atualmente o 38º lugar, e certamente vai superar essa marca antes de Roland Garros. A final deste sábado em Estrasburgo foi a terceira de sua carreira profissional de simples, sendo a segunda na temporada. No início do ano, ela foi vice-campeã do WTA 1000 de Dubai, superada apenas por Garbiñe Muguruza na decisão. 

Em duplas, a tcheca tem oito títulos no circuito da WTA, com destaque para as conquistas de Roland Garros e Wimbledon em 2018, ao lado da compatriota Katerina Siniakova. Este ano, a parceria tcheca já venceu o Gippsland Trophy (torneio WTA 500 em Melbourne) e também o WTA 1000 de Madri, além de serem finalistas do Australian Open. Com isso, ocupam a primeira posição na corrida para o Finals.

"Acho que o jogo de duplas me ajuda muito, porque eu posso disputar mais partidas, sacar mais vezes e volear mais vezes. Tudo isso é importante para o jogo de simples também. E eu também pude jogar mais torneios grandes, disputar finais, jogar com torcida... E todas as experiências me ajudaram a jogar uma final como essa bem menos nervosa. Eu amo jogar duplas, e também duplas mistas. Eu amo jogar tênis, é o que eu sempre quis e fico muito feliz por estar aqui", disse Krejcikova a TenisBrasil durante a entrevista coletiva deste sábado, após a partida.

Por sua vez, Cirstea disputou a sexta final na carreira e segue com dois títulos no circuito. O primeiro foi conquistado ainda em 2008 em Tashkent e o segundo apenas este ano, no saibro de Istambul. A romena de 31 anos e ex-número 21 do mundo aparece atualmente no 61º lugar. Ela chegou a sofrer uma lesão no tornozelo durante o WTA 1000 de Madri, há três semanas, mas conseguiu se recuperar a tempo para jogar em Madri e Roland Garros.

Dedicatória à mentora Jana Novotna
O título foi ainda mais especial para Krejcikova porque ela repetiu o feito de sua mentora, Jana Novotna, que também conquistou seu primeiro WTA na cidade de Estasburgo em 1989. Novotna foi número 2 do mundo e campeã de Wimbedon em 1998. A ex-jogadora profissional foi uma das primeiras treinadoras de Krejcikova e faleceu vítima de um câncer em 2017 aos 49 anos.

"Acho que de algum lugar acima de mim, ela estava realmente cuidando de mim e me ajudando. Ela realmente queria que eu ganhasse. Estou muito feliz por ter sido capaz de fazer isso e por ela estar cuidando de mim".

Tcheca perdeu uma lente de contato durante o jogo

O início de partida foi muito bom para Krejcikova, que conseguiu duas quebras consecutivas e abriu 4/0 no placar. A tcheca já encaminhava uma vitória tranquila no primeiro set quando teve um contratempo. Ela perdeu uma das lentes de contato em quadra e foi informada pelo árbitro que só poderia ir ao vestiário depois que o set terminasse. Como estava vencendo por 5/2, conseguiu jogar a parcial até o fim, mesmo sendo quebrada na primeira vez em que sacava para fechar. Ela terminou a parcial com 11 a 9 em winners e cometeu 13 erros contra 27 de Cirstea.

"Eu senti alguma coisa no meu olho, pode ter sido um pouco de saibro que caiu ali. Estava ventando muito e a quadra estava bem seca. Eu queria ter saído e trocado a lente, mas não pude. O árbitro disse que eu só poderia sair em uma virada de lado ou no final do set. Ou então gastar o meu tempo médico do fisioterapeuta, e eu não queria", disse a tcheca, sobre a situação desconfortável. "Então eu pensei: 'Tenho que fazer o meu melhor e tentar ganhar pelo menos um game'. Não é legal quando você tem alguma coisa no olho, especialmente para quem usa lentes de contato. Coça um pouco e não há muito o que fazer. Mas isso aconteceu e eu fico feliz porque eu consegui ganhar o set, e fiquei muito melhor no segundo".

Com o problema de visão já solucionado no intervalo entre os sets, Krejcikova retomou o controle das ações em quadra e venceu três games seguidos para liderar por 3/1. Cirstea devolveu a quebra, mas não conseguiria buscar o empate, já que voltaria a perder o saque logo na sequência. Coube a Krejcikova, então, manter seus dois últimos games de serviço para definir a vitória. A tcheca liderou a contagem de winners por 22 a 16 e cometeu 27 erros contra 44 da rival.

Estreias em Roland Garros
Krejcikova estreia em Roland Garros contra a também tcheca Kristyna Pliskova. Se vencer, pode enfrentar a russa Ekaterina Alexandrova (cabeça 32) ou a ex-número 1 do mundo Venus Williams. Durante a semana em Estrasburgo, ela derrotou Alexandrova. Já Cirstea estreia contra a britânica Johanna Konta.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva