Notícias | Dia a dia
Barty domina saque de Pliskova e consegue a virada
23/04/2021 às 14h23

A australiana foi muito forte nas devoluções de saque ao criar 19 break points e conseguir 5 quebras

Foto: Porsche Tennis Grand Prix
por Mário Sérgio Cruz

Stuttgart (Alemanha) - A número 1 do mundo Ashleigh Barty precisou lutar muito para garantir vaga na semifinal do WTA 500 de Stuttgart, em quadra de saibro e estádio coberto. Diante da tcheca Karolina Pliskova, nona colocada e campeã em 2018, a australiana esteve em quadra por 2h01 e venceu por 2/6, 6/1 e 7/5. No último set, Pliskova chegou a liderar por 5/3, mas Barty venceu quatro games seguidos. Ela agora espera por Petra Kvitova ou Elina Svitolina.

Mesmo enfrentando uma das melhores sacadoras do circuito, Barty criou 19 break points durante a partida, sendo 11 deles só no último set, e conseguiu cinco quebras de serviço. A australiana liderou a contagem de winners por 25 a 16 e cometeu 28 erros contra 39 de Pliskova, que conseguiu três quebras em três break points. Na rodada anterior, Pliskova havia disparado 21 aces contra Jelena Ostapenko. Já nesta sexta-feira, a tcheca fez só cinco, contra 7 de Barty.

+ Barty quer dar exemplo e defende disciplina
+ Pliskova: 'Não mudo meu jeito de jogar no saibro'

"Acho que na maioria dos break points, a Karolina jogou muito bem. Tenho que tirar o chapéu para ela e reconhecer que é uma grande jogadora, uma das melhores sacadoras do mundo e sabia o que fazer nos momentos importantes. Então foi importante para mim continuar pressionando e criando chances. É claro que seria legal ter aproveitado essas chances um pouco antes, mas tinha de aceitar que algumas coisas estavam fora do meu controle", disse Barty ao TenisBrasil durante a entrevista coletiva após a partida, quando perguntada sobre a constante pressão exercida nos saques da adversária.

Apesar do placar, a primeira parcial foi equilibrada. As sacadoras prevaleceram durante cinco games sem correr riscos. Já os três últimos games do set foram longos e Pliskova levou a melhor em todos os pontos importantes. A tcheca aproveitou as duas únicas chances de quebra que teve e escapou de três break points em seu saque. No segundo set, a australiana foi dominante e fez quase o dobro de pontos da rival, 31 a 16. A número 1 do mundo foi inteligente devoluções, bloqueando os serviços mais fortes com slices e sendo agressiva nos segundos serviços da tcheca. De um set para o outro, Barty também reduziu o número de erros, de 12 para apenas 4.

O início do terceiro set foi um momento em que as duas jogadoras estavam muito bem ao mesmo tempo e Pliskova teve méritos para conseguir uma quebra precoce e abrir 3/1. A tcheca vinha sustentando sua vantagem, apesar de ter o serviço constantemente ameaçado. Já Barty, apesar da desvantagem no placar, vinha confirmando seus games com mais tranquilidade na reta final. Sacando para o jogo, quando vencia por 5/4, a tcheca encarou cinco break points e não evitou a quebra. Com o placar empatado, a australiana aproveitou o momento e continuou sacando bem e pressionando nas devoluções para confirmar a vitória.

'Tenho o melhor técnico do mundo', diz a número 1
Após a difícil vitória de virada, Barty destacou o trabalho do técnico Craig Tyzzer, eleito o melhor do circuito em 2019, e acredita que a parceria traçou um bom plano de jogo. "Eu não olho tanto para o Tyzz no box durante o jogo, porque eu fico muito focada no que eu preciso fazer e no jogo das minhas adversárias", disse, perguntada por TenisBrasil. "Não temos tanta comunicação quando estou em quadra, mas a relação que nós temos é incrível. Ele é o melhor técnico do mundo. Tenho total confiança nos planos de jogo que traçamos juntos. Estamos trabalhando juntos desde 2016, é bastante tempo, temos uma ótima relação".

A australiana de 24 anos, e que faz aniversário no sábado, também falou ao site da WTA sobre sua oitava vitória seguida contra top 10. "Eu me mantenho focada a cada jogo que eu disputo, independentemente do ranking das minhas adversárias. Mas acho que contra as top 10, você precisa estar um nível acima. Elas te fazem jogar o seu melhor tênis a cada torneio. E eu amo o desafio de me testar contra as melhores do mundo".

Confira as entrevistas de TenisBrasil com grandes estrelas em Stuttgart
+ Barty quer dar exemplo e defende disciplina
+ Pliskova: 'Não mudo meu jeito de jogar no saibro'
+ Halep busca título inédito: 'Vencer aqui é mais difícil'
+ Bicampeã, Kerber terá clima diferente em Stuttgart
+ Após altos e baixos, Kvitova está pronta para o saibro

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva