Notícias | Dia a dia
Halep busca título inédito: 'Vencer aqui é mais difícil'
19/04/2021 às 15h52

Stuttgart é o único torneio importante no saibro que Halep nunca venceu

Foto: Porsche Tennis Grand Prix
por Mário Sérgio Cruz

Stuttgart (Alemanha) - A temporada de saibro do circuito costuma ser um período vitorioso para Simona Halep, que já conquistou alguns dos principais torneios no piso, com evidente destaque para Roland Garros em 2018, além do bicampeonato em Madri em 2016 e 2017 e o do título em Roma no ano passado.

O único torneio importante no piso em que a romena nunca foi campeã é o WTA 500 de Stuttgart, que acontece nesta semana. Em busca de um título inédito, a número 3 do mundo afirma que o evento alemão costuma ser o mais difícil, não apenas pelas condições de jogo mais rápidas, mas também pelas chaves que costumam ser duras desde a estreia. A edição deste ano atraiu sete nomes do top 10. 

"Aqui é sempre mais difícil, porque o torneio já começa muito forte. Todas as adversárias são muito fortes desde a primeira rodada", disse Halep ao TenisBrasil durante a entrevista coletiva nesta segunda-feira em Stuttgart. "Então, é um pouco mais difícil do que os outros torneios, e também o saibro coberto provavelmente não é o meu favorito, mas eu já fiz semifinal aqui, joguei boas partidas aqui e venci grandes jogadoras. Então, não posso dizer que não gosto. Eu gosto, mas é um pouco mais difícil de vencer o torneio".

+ Bicampeã, Kerber terá clima diferente em Stuttgart
+ Após altos e baixos, Kvitova está pronta para o saibro
+ Barty e Halep lideram fortíssima chave de Stuttgart

"Eu quero muito ganhar aqui. É um ótimo torneio e as pessoas são muito legais comigo. Então, um dos meus objetivos é ganhar este torneio também, porque eu quero ganhar todos os torneios possíveis no saibro", acrescenta a romena, que já disputou o torneio cinco vezes e foi semifinalista em 2015 e 2017.

Estreia dura e estádio vazio em Stuttgart
A estreia na competição será contra a vencedora do duelo tcheco entre Marketa Vondrousova, 20ª do mundo, e Marie Bouzkova, 56ª colocada. A romena perdeu os dois duelos anteriores contra Vondrousova, ambos disputados em 2019 nos torneios de Indian Wells e Roma. Já contra Bouzkova, abandonou ainda no primeiro set o único confronto entre elas, realizado há dois anos no Canadá. "Vai ser uma estreia difícil. Já conheço as duas. Mas será uma nova partida, em uma nova superfície e com outras condições. Então, terei minha chance, mas sei que vai ser um jogo difícil".

Halep é uma das jogadoras mais queridas pelo público, sendo várias vezes eleita como a favorita dos fãs em eleições promovidas pela WTA. Em Stuttgart, entretanto, irá jogar com o estádio vazio, respeitando as determinações de segurança devido à pandemia da Covid-19. "A atmosfera aqui sempre foi incrível. Os fãs são muito animados e gostam muito de tênis. Então, é um pouco triste não podermos ter torcida nas arquibancadas, mas nós, jogadoras, queremos apenas agradecer aos organizadores por tornarem este torneio possível. Sei que é muito difícil para eles, então agradecemos muito".

'Sou a mais feliz pelo início da temporada de saibro', diz Halep
O adiamento em uma semana na data de Roland Garros provocou algumas alterações no calendário e prolongou a temporada de saibro. Isso impactou no circuito de torneios na grama, que ficou um pouco mais curto. Halep, que já foi campeã de Roland Garros em 2018 e de Wimbledon no ano seguinte, está ciente de que o período de transição entre os dois pisos será mais curto, mas espera ter bons resultados agora para carregar a confiança antes dos torneios na grama.

"Provavelmente sou a jogadora mais animada nessa época do ano (risos). Sempre me senti bem no saibro, e não posso dizer que faço algo muito especial. Sinto-me natural nessa superfície e tenho confiança. Então, é por isso que provavelmente tive bons resultados no passado", explica a jogadora de 29 anos.

"Se você joga uma semifinal ou final de Roland Garros, sua confiança vai estar alta e você realmente não pensa em coisas negativas naquele momento. Então seria um bom problema para se ter. Para algumas jogadoras, sim, pode ser um pouco mais difícil, mas para mim esse atraso de uma semana é bom porque eu posso jogar mais no saibro e meu foco está apenas nisso agora".

Romena está sem dor e terá o técnico por perto o ano inteiro

Outra boa notícia para a romena é que ela vai poder passar mais tempo com o técnico australiano Darren Cahill, que vai acompanhá-la durante toda a temporada, já que não teria como retornar ao seu país natal sem ter que passar pelo rígido controle da pandemia adotado na Austrália. "Ele vai ficar comigo porque não pode voltar para casa (risos). Ele até foi para a Romênia na semana passada e treinamos muito bem. Agora, ele está aqui pela primeira vez e é bom tê-lo durante toda a temporada de saibro, porque é a minha época favorita do ano e tê-lo por perto significa muito. Tenho mais confiança quando ele está comigo".

Halep sentiu dores no ombro direito durante o WTA 1000 de Miami e precisou abandonar a competição. Ela garante estar sem problemas físicos para o início da temporada de saibro. "Tive mais de duas semanas de descanso e fiz alguns tratamentos no ombro. Sinto-me muito melhor agora. Não tive dores nos últimos dias que treinei, tanto em casa, quanto aqui. Eu me sinto bem. Espero poder ficar assim durante os torneios também porque os jogos oficiais são diferentes dos treinos".

Comentários
Loja - camisetas
Torneio Teodózio