Notícias | Dia a dia
Sinner admite erros: 'a derrota não é fácil para mim'
04/04/2021 às 21h17

Sinner subirá para o 21º lugar do ranking e deve ser cabeça nos torneios do saibro europeu

Foto: ATP

Miami (EUA) - Apesar dos 19 anos, o italiano Jannik Sinner já é reconhecido no circuito como um tenista que consegue dominar os nervos e jogar bem sob pressão. Mas ele não conseguiu repetir isso justamente na final do Masters 1000 de Miami e acabou derrotado pelo polonês Hubert Hurkacz. Ele não escondeu a frustração do vice, mas garante que não deixará isso afetá-lo por muito tempo.

"Cometi alguns erros não forçados, principalmente no tiebreak. Não estava sacando bem no começo do segundo set e meu backhand não tinha profundidade", avaliou. "Durante todo o torneio, consegui ditar meu ritmo de jogo, mas hoje foi diferente. Perder esta final não é fácil para mim, ainda mais depois de uma semana tão firme. Acho que estava um pouco nervoso no começo do jogo, mas é normal porque tinha muita vontade de ganhar".

Sinner não se considerou uma surpresa pela grande campanha na quadra dura de Miami. "Cheguei com a determinação de ganhar o torneio. Sabia que Rafa, Roger, Novak e Thiem não jogariam, então era uma oportunidade para todos. Joguei cada partida da forma correta, indo à rede, mexendo os adversários pela quadra. Acho que aprendi muitas coisas hoje, mas não vou perder tempo pensando demais nesta derrota. Agora vem o saibro e preciso me preparar", garante ele, que reaparecerá em Monte Carlo. "Evoluí e isso foi importante. Agora preciso sentar com o time e saber por que perdi e onde tenho que trabalhar mais".

Questionado se a nova geração já está pronta para dominar o circuito, Sinner foi cauteloso. "Este torneio foi muito positivo e acho divertido de ver os mais jovens em quadra, porque muitos deles o público nem conhece. Temos no entanto que mostrar que podemos vencer os grandes nomes, não apenas uma vez ou outra vez mas de forma constante. Isso acontecerá em algum momento, mas não sei se será em dois ou cinco anos".

Sobre o amigo Hurkacz, o italiano diz que foi um tanto estranho enfrentá-lo em simples e numa final. "Honestamente, não estava preparado para isso, mas tentei me concentrar o máximo". Ele diz que é possível que os dois voltem a formar duplas em alguns torneios, mas o calendário é exigente e muitas vezes isso se torna desgastante. "Somos ainda muito jovens e acredito que vamos disputar muitos outros torneios juntos. Tudo que quero é enfrentá-lo de novo e ter minha revanche".

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva