Notícias | Dia a dia
Swiatek vence a melhor amiga, mas evita abraços
02/02/2021 às 10h10

Swiatek iniciou a temporada vencendo a eslovena Kaja Juvan em três sets

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Com bom humor, Iga Swiatek comemorou sua primeira vitória na temporada. A jovem polonesa de 19 anos e atual campeã de Roland Garros estreou no Gippsland Trophy, um dos três WTA 500 em andamento nesta semana, superando a eslovena Kaja Juvan, jogadora de 20 anos e 102ª do ranking, por 2/6, 6/2 e 6/1.

Com pouca diferença de idade e adversárias desde os tempos de juvenil, Swiatek e Juvan são grandes amigas no circuito. A amizade se fortaleceu por conta de gostos bastante particulares das duas jogadoras, sendo a polonesa uma grande interessada por história e admiradora dos clássicos do rock, enquanto a eslovena é mais adepta da pintura, da literatura e da filosofia, carregando livros de Socrates e Descartes para os torneios.

No cumprimento junto a rede, Swiatek evitou abraçar sua melhor amiga no tênis. Afinal, é momento de evitar o contato físico e praticar o distanciamento social devido à pandemia da Covid-19. "Espero que possamos nos abraçar em breve", escreveu a polonesa em seu perfil no Twitter. Ela agora enfrenta a russa Ekaterina Alexandrova nas oitavas de final.

'Faltou concentração no início', diz a polonesa
Swiatek sofreu duas quebras seguidas na reta final do primeiro set e acredita que faltou concentração no início da partida, mas conseguiu reagir em grande estilo, ao vencer 11 dos últimos 12 games. "Com certeza, o início foi difícil. Eu sentia que não conseguia me concentrar muito bem e minha cabeça não estava no lugar certo", disse ao site da WTA.

"Mas eu sabia que isso pode acontecer no início da temporada. Foi minha primeira partida. E a Kaja estava em uma situação diferente. Ela jogou uma primeira rodada, enquanto eu entrei direto hoje", comenta a 17ª do ranking. "Eu estava apenas tentando ser paciente e tentando me concentrar em coisas diferentes, coisas técnicas. Mas no primeiro set não foi nada fácil".

"Eu não diria que estava nervosa, mas me senti estressada de uma maneira diferente", avalia a polonesa. "Senti que estava muito lenta no início do jogo, mas não foi a primeira partida que me senti assim. Às vezes eu estava chegando atrasada para muitas bolas e não estava jogando tênis consistente. Mas estou muito feliz por ter sido paciente o suficiente para mudar isso e não ficar com raiva".

Ano novo, raquete nova
Swiatek também comentou sobre a troca de fornecedor de raquetes, já que substituiu um modelo da Prince, que usava desde o juvenil, pela Technifibre durante a pré-temporada. "Fiz um teste logo depois de Roland Garros, porque meu treinador já estava conversando com a Technifibre antes do torneio, então tive muito tempo para me acostumar com a raquete".

"Ela se encaixa muito bem em mim e eles têm uma ótima tecnologia, então não tive problemas para mudar", explica a polonesa. "Eu tinha dúvidas se mentalmente pensaria na mudança, mas tive muito tempo para me preparar na minha pré-temporada, então não foi um problema. Então estou muito feliz por ter feito isso este ano e acho que vai seja uma boa parceria".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva