Notícias | Dia a dia
Sandgren: 'Fui visto como pirata entrando na Austrália'
21/01/2021 às 08h50

Melbourne (Austrália) - Ainda antes de começarem as polêmicas com os testes positivos nos voos para o Australian Open, o norte-americano Tennys Sandgren foi o primeiro alvo das críticas ao ser liberado para embarcar rumo a Melbourne mesmo depois de dar positivo para coronavírus em um exame. Ele depois foi analisado pelas autoridades sanitárias e liberado.

Apesar de ter entrado na Austrália seguindo as normas impostas, Sandgren diz que não foi bem recebido, se transformado do excêntrico número 50 do mundo para o inimigo público número 1 do país.

"Não fui eu entrando sorrateiramente em um voo. Mas foi visto como se eu estivesse evitando as regras, sendo um pirata, ou a Tennis Australia evitando as regras australianas. Tornou-se uma coisa que nunca existiu. Fiquei pasmo ao ver que virou uma polêmica", disse o norte-americano ao Sydney Morning Herald.

Os tuites de Sandgren brincando com a situação não pegaram nada bem, mas ele se justifica. "Eu estava apenas documentando algo que achei interessante e engraçado. Isso é o Twitter. Eu estava apenas tentando fazer as pessoas rirem. Isso se tornou algo realmente bizarro e uma polêmica por si só", se defendeu o norte-americano de 29 anos.

Quadrifinalista em Melbourne no ano passado, Sandgren adoeceu em novembro, mas em dezembro já estava totalmente recuperado e inclusive cumpriu um cronograma de treinamento rigoroso na pré-temporada. “Os médicos nos Estados Unidos recomendam não fazer o teste nos três meses após (a recuperação) porque era provável que desse positivo. Realmente não há sentido em fazer o teste”, disse.

"Presumo que o consenso internacional seja mais ou menos o mesmo. Sei que não estou doente e não sou contagioso porque esse é o consenso médico", acrescentou Sandgren, que é um dos azarados que chegaram em Melbourne em voos com contaminados e agora cumpre isolamento total de 14 dias.

Outra reclamação do norte-americano desde sua chegada à Austrália é a percepção de que os jogadores não se importam com a segurança da comunidade vitoriana. Ele acredita que isso não poderia estar mais longe da verdade.

"Há uma conotação negativa em torno do torneio em si, de que estamos entrando e colocando a comunidade em risco e realmente não nos importamos. Somos acusados de elitistas. A verdade é que apenas alguns jogadores estão frustrados com a situação, mas ninguém quer colocar a comunidade australiana em risco. Adoramos vir e jogar aqui", finalizou Sandgren.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva