Notícias | Dia a dia
Tenistas discutem formas de protesto e até boicote
17/01/2021 às 12h08

Melbourne (Austrália) - Está cada vez mais quente a situação em Melbourne, que agora conta com 72 jogadores em isolamento total depois que um terceiro voo, vindo de Doha, também aterrissou com um contaminado. Segundo informa o Marca, os jogadores têm conversado sobre possíveis formas de protesto e até se fala em boicote.

Nos bate-papos dos tenistas, a principal reclamação é sobre os protocolos nos quais forçavam a quarentena aqueles que pegaram um voo com alguém que testou positivo. Para eles, só quem teve contato direto com o infectado deveria ser isolado. Palavras como boicote ou desistir do jogo com apenas três games disputados começam a ser ouvidas em protesto à situação que estão vivenciando.

+ Alcaraz e tenistas do quali ampliam para 72 os isolados
+ Organização do Australian Open descarta adiamento

+ Tenistas divergem sobre normas impostas pelo AO
+ Djoko propõe novas medidas para tenistas isolados

O sérvio Novak Djokovic tratou de usar sua influência no circuito e pediu algumas mudanças para a organização do Australian Open, como quartos maiores para os afetados, pedindo que neles seja colocado material suficiente para o treinamento como bicicletas ergométricas que, por enquanto, estão disponíveis apenas para os cabeças de chave.

Uma sugestão ainda mais radical foi a criação de uma segunda bolha para os 72 tenistas afetados e que eles possam sair para treinar em quadras separadas depois de ficarem sete dias isolados. Nenhuma das ideias teve resposta até o momento, mas o diretor do torneio Craig Tiley já avisou que o primeiro Grand Slam da temporada não será adiado, como também já se ventilou em Melbourne.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva