Notícias | Dia a dia
Andreescu aproveitou o ano para estudar rivais
06/11/2020 às 14h00

Apesar da longa inatividade, Andreescu não ficou totalmente desligada do tênis

Foto: Arquivo

Monte Carlo (Mônaco) - Apesar de não ter disputado nenhuma partida em 2020, Bianca Andreescu não ficou alheia ao que acontece no mundo do tênis. A canadense de 20 anos contou, em entrevista ao canal Tennis Majors, que aproveitou esse ano fora das quadras para estudar os jogos de suas principais adversárias.

Como já afirmou algumas vezes, Andreescu é adepta da chamada "visualização criativa", técnica de meditação que consiste em mentalizar algumas situações adversas para que isso a auxilie nas tomadas de decisão. "Mentalmente, eu estava ligada nos jogos. Estava me visualizando, me vendo jogar tênis, e também acompanhei todas as outras jogadoras e estava estudando as minhas adversárias também".

O último torneio que Andreescu disputou foi o WTA Finals do ano passado, quando sofreu uma lesão no joelho esquerdo. Além disso, a atual número 7 do mundo convive com um problema crônico no pé. Ela já teve uma fratura por stress quando ainda era juvenil e o incômodo voltou a se manifestar ao longo deste ano, quando ela retomava a rotina de treinamentos. Apesar disso, ela já afirmou que está atualmente sem dor e garante que disputará o Australian Open em 2021.

+ Andreescu garante que jogará o Australian Open
+ Andreescu divulga imagens de sua volta aos treinos
+ Lesão no pé faz Andreescu ser dúvida para RG

Ainda sobre o aspecto mental do jogo, Andreescu fala sobre como mantém a confiança sempre alta e sobre o quanto isso ajuda nos jogos mais difíceis. "Eu não tenho medo. É uma sensação estranha. Quando vou para a quadra, fico superconfiante, mas não de uma forma que pareça arrogante. Eu simplesmente confio muito nas minhas habilidades. Quando você está preparada, você já ganha metade da batalha".

A jovem canadense também recordou dois títulos muito especiais de sua carreira, o US Open e o Premier de Toronto do ano passado. "Eu joguei em casa, diante da minha torcida, contra algumas das melhores jogadoras de todos os tempos, a quem assisti durante toda a minha vida. Senti também a pressão que coloquei sobre mim mesma, porque queria muito vencer".

Já sobre a conquista de seu primeiro Grand Slam, ela destacou a final contra Serena Williams, com o Arthur Ashe Stadium cheio e torcida toda a favor da lenda norte-americana. "Lembro de dizer a mim mesma: 'Tente ganhar o máximo de pontos possível para que a torcida fique quieta'", disse a canadense, sorrindo. "Gosto de jogar nos grandes palcos, não porque eu queira impressionar alguém, mas eu simplesmente gosto da energia da torcida. Isso me deixa animada. Quando eles estavam torcendo por ela, no começo eu fiquei um pouco para baixo, mas depois isso me deu mais motivação para vencer aquele jogo".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva