Notícias | Dia a dia | Roland Garros
'Rafa faz uma partida perfeita hoje', afirma Djokovic
11/10/2020 às 17h26

Djokovic reconheceu a superioridade de Nadal durante toda a partida

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Paris (França) - Vice-campeão de Roland Garros, Novak Djokovic deu todos os méritos a Rafael Nadal pela grande atuação na final deste domingo e por mais um título no saibro parisiense. O espanhol chegou ao 13º título no torneio e ao 20º Grand Slam da carreira, o que fez igualar o recorde de conquistas de Roger Federer.

"Não tenho muito a dizer, fui dominado pelo Rafa, ele foi o melhor jogador em quadra e não estava errando nada, recuperando todas as bolas e jogando taticamente muito bem", disse Djokovic, após a derrota por 6/0, 6/2 e 7/5 para Nadal neste domingo em Paris.

+ Mesmo com vice, Djokovic amplia diferença no ranking
+ Nadal: 'Adoraria terminar a carreira com o recorde'
+ Nadal arrasa Djokovic e conquista o 20º Grand Slam

"Eu me senti bem durante todo o torneio, pensei que estava em uma ótima forma. Certamente, eu poderia ter jogado melhor, especialmente nos dois primeiros sets. Mas ele me surpreendeu com a maneira como estava jogando, pelo nível do tênis que estava produzindo. Ele é fenomenal e jogou uma partida perfeita", acrescenta o número 1 do mundo, que ainda lidera o histórico de confrontos por 29 a 27, mas perdeu cinco das nove finais de Slam que fez contra o rival.

Dominado nos dois primeiros sets, Djokovic conseguiu equilibrar as ações no terceiro, especialmente depois de conseguir uma quebra de serviço, mas lamentou pelas oportunidades perdidas. "No terceiro set eu consegui reagir. Eu meio que encontrei meu ritmo na quadra. Então, jogamos alguns games equilibrados. Tive minhas chances, não as aproveitei e ele fechou a partida. É isso aí. Ele foi o melhor jogador em quadra hoje e mereceu vencer".

Nadal tem números impressionantes em Roland Garros. A vitória deste domingo foi a centésima do espanhol em 102 jogos no torneio. As únicas derrotas foram para o próprio Djokovic em 2015 e para o sueco Robin Soderling em 2009. Pela quarta vez, ele foi campeão sem perder sets. "Eu admiro todas as conquistas dele, especialmente aqui em Roland Garros. O histórico dele é impressionante, com os resultados e recordes que conseguiu nessa quadra. Quero dizer, ele só perdeu duas vezes nessa quadra em toda a carreira. Tem 13 títulos. Não há muito que você possa dizer. Ele merece todos superlativos que você usar".

'Pensava que as condições fossem favoráveis a mim', disse o sérvio
No início do torneio, Djokovic acreditava que as condições de quadra em Paris favoreciam seu estilo de jogo. Este ano, o torneio foi disputado em outra época do ano, com temperaturas mais baixas, que deixavam a quadra mais lenta. Também foi a primeira edição a contar com jogos noturnos e um teto retrátil na quadra Philippe Chatrier para o caso de chuva. Houve ainda uma troca no fornecedor de bolas para o torneio e o novo modelo, mais pesado, não havia agradado o espanhol.

+ Para Djokovic, condições em Paris são favoráveis
+ Toni Nadal vê condições mais favoráveis a Djokovic
+ Bola mais pesada não incomoda tanto Djokovic

"Eu também pensava que essas condições fossem mais favoráveis para mim. Eu estava me sentindo ótimo durante todo o torneio, jogando tênis excelente. Fui campeão em Roma e estava muito confiante no meu jogo. Mas Rafa mostrou que todos estavam errados. É por isso que ele é um grande campeão. Ele acabou de ter uma atuação fantástica hoje. E isso é tudo", avaliou o sérvio, campeão em Paris em 2016 e vice em outras quatro oportunidades.

Perguntado sobre o que acha que fez de errado no jogo, o sérvio acredita que estava muito apressado para tentar definir os pontos, mas diz que isso tem a ver com a consistência defensiva do espanhol. "Eu provavelmente estava um pouco apressado, tentando jogar pontos mais curtos e partindo para os winners. Eu provavelmente não estava construindo bem os pontos e isso refletiu no resultado. Mas isso também foi causado por ele, por sua defesa incrível. Ele estava mandando todas as bolas de volta. Ele não estava errando muito nos dois primeiros dois sets e eu precisava fazer alguma coisa, mas não encontrei uma solução".

O experiente jogador de 33 anos e vencedor de 17 títulos de Grand Slam também rechaçou que o placar elástico tenha sido influenciado por algum problema físico ou pelo nervosismo. "Eu estava pronto para o jogo. Estava tudo bem. Mas perdi para um cara que estava perfeito hoje, principalmente nos dois primeiros sets, como eu disse. Não vou encontrar nenhuma outra justificativa para essa derrota. Quero dizer, ele apenas foi melhor e conseguiu a vitória em sets diretos. É uma final de Grand Slam, mas quando você enfrenta o Rafa no barro, do jeito que ele jogou hoje, é muito difícil ganhar dele".

Comentários