Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Nadal: 'Adoraria terminar a carreira com o recorde'
11/10/2020 às 16h34

Título em Roland Garros faz o espanhol igualar a marca de Federer

Foto: Nicolas Gouhier/FFT

Paris (França) - Campeão de Roland Garros neste domingo, Rafael Nadal chegou ao 20º título de Grand Slam de sua vitoriosa carreira. Aos 34 anos, ele agora divide o recorde de conquistas deste porte com Roger Federer, que já está com 39 anos. De quebra, ampliou sua vantagem em número de conquistas para Novak Djokovic, que é um ano mais novo e estaciona nos 17 títulos de Slam. Experiente, o espanhol reitera o sonho de terminar a carreira como recordista, mas diz que quer trilhar seu próprio caminho, sem se preocupar tanto com os rivais.

"Eu nunca escondi que adoraria terminar minha carreira sendo o jogador com mais títulos de Grand Slam. Mas, por outro lado, sempre digo que preciso trilhar o meu próprio caminho, como fiz durante toda a minha carreira. Funcionou muito bem. Não posso ficar pensando que o Novak ganhou esse e o Roger ganhou aquele. Você não pode estar sempre infeliz porque seu vizinho tem uma casa maior, um barco maior ou um telefone melhor. Você tem que viver a sua vida", disse Nadal depois de conquistar seu 13º título em Paris.

"Pessoalmente, foi isso que fiz durante toda a minha carreira. Apenas tentei seguir meu caminho e dar o meu melhor todos os dias. É claro que me importo com os recordes. Sou um grande fã da história do esporte em geral e respeito muito isso. Para mim significa muito compartilhar esse número com o Roger. Mas vamos ver o que vai acontecer quando terminarmos nossas carreiras", acrescentou o espanhol, que agora tentará ultrapassar o suíço nas disputas do Australian Open e Roland Garros do ano que vem.

+ Nadal arrasa Djokovic e conquista o 20º Grand Slam
+ Pela quarta vez, Nadal vence RG sem perder sets
+ Federer parabeniza Nadal por igualar recorde

Nadal comemorou seu desempenho na vitória por 6/0, 6/2 e 7/5 contra Djokovic neste domingo. "Por dois sets e meio joguei em um incrível nível de tênis. Não posso dizer outra coisa. É impossível conseguir esse placar contra ele sem jogar muito bem. Foi uma final muito boa. Eu joguei no meu melhor nível quando eu precisava, então estou muito orgulhoso. A satisfação pessoal é grande porque, mesmo que eu tenha feito uma partida incrível, as circunstâncias em que jogamos não eram as condições ideais".

O espanhol também ficou satisfeito com sua adaptação às diferentes condições do torneio deste ano. Foi a primeira edição com jogos noturnos e quadra coberta, além da disputa em outra época do ano, que torna as condições de quadra mais lentas. Houve também uma troca no fornecedor de bolas. "Consegui me adaptar bem. Eu fui capaz, como disse no primeiro dia, e pensei positivo apesar de todas as circunstâncias que enfrentei no evento. Tentei aceitar todos os desafios em relação à bola e a jogar no frio, mas encaro isso de uma forma positiva. Eu apenas tentei trabalhar todos os dias com a determinação certa, buscando as minhas metas. Acho que este título de Roland Garros tem um valor especial para mim".

Feliz por título e recorde, Nadal lamenta a pandemia
O experiente de 34 anos, lamentou as limitações impostas pela pandemia. Ele ficou 200 dias sem jogar. Além da paralisação do circuito, optou por não jogar o US Open e intensificar sua preparação para o saibro. Em Paris, jogou diante de no máximo mil torcedores. "O ano foi difícil para todos. Minha preparação para este torneio não foi perfeita, mas pude treinar no saibro por mais tempo porque não joguei nos Estados Unidos".

"É claro que é um dia importante para mim, mas não sou idiota. A situação mundial ainda é muito triste. Se você me perguntar qual é o meu sentimento agora, é claro que estou super feliz por ter vencido. Por outro lado, não estou tão feliz como sempre porque a situação é difícil para a maioria das pessoas", acrescentou o espanhol.

"Não pudemos curtir a quadra lotada e aquela atmosfera incrível, como sempre acontece. Temos sorte de poder treinar, jogar e manter o circuito. Não podemos agradecer o suficiente à ATP e às direções de Roland Garros e do US Open pelos esforços que fizeram para organizar esses eventos sob essas circunstâncias muito difíceis. Mas não me esqueço de como é difícil a situação no mundo. Eu apenas espero que melhore muito em breve".

Nadal também agradeceu ao amigo Roger Federer pela mensagem de parabéns pelo recorde. "Acho que todos sabem que temos uma ótima relação. Nós nos respeitamos muito. E acho que ele fica feliz quando estou ganhando, assim como eu fico feliz quando ele está jogando bem. De alguma forma, significa muito para mim o relacionamento que temos juntos porque temos uma grande rivalidade há muito tempo. Então, só posso agradecer a ele".

Comentários