Notícias | Dia a dia
Mudança na bola de Roland Garros preocupa Nadal
25/09/2020 às 16h36

Nadal acredita que a nova bola do Grand Slam francês é mais lenta e mais pesada

Foto: Divulgação

Paris (França) - A mudança no fornecedor da bola para Roland Garros desagradou Rafael Nadal. Doze vezes campeão em Paris, o espanhol acredita que o modelo produzido pela norte-americana Wilson não é o ideal para ser utilizado no saibro e acredita que a nova bola é muito mais lenta e pesada que o modelo anterior, feito pela francesa Babolat.

"As condições aqui provavelmente são as mais difíceis para mim em Roland Garros por muitos fatores diferentes. A começar pela bola, que é completamente diferente. Ela é super lenta e pesada. Está muito frio. As condições de jogo são lentas. Além, é claro, da preparação que foi menor do que o normal", disse Nadal, em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

+ Thiem diz que novas bolas podem mudar resultados
+ Nova bola de Roland Garros dificulta uso do topspin
+ Para Halep, diferença de temperatura muda o jogo

"Mas quer saber? Estou aqui para lutar e jogar com o maior intensidade possível. Esse é o objetivo principal para mim. Ser competitivo desde segunda-feira e vamos tentar. Eu conheço muito bem este lugar. Tenho que ser paciente, pensar positivo e apenas tentando encontrar as vibrações positivas de cada dia", acrescentou o número 2 do mundo e vencedor de 19 títulos de Grand Slam.

Nadal diz ainda que a bola nova apresenta risco de lesões para os jogadores e que ele próprio tem diminuído um pouco a carga de treinos. "Você tem que tomar cuidado, porque com essas condições você não pode treinar tanto, porque a bola é superpesada. É uma marca diferente da utilizada no ano passado, uma nova bola. A bola é muito mais lenta do que anos anteriores. Se adicionarmos essas condições de frio e umidade, então fica superpesada, não?".

"Acredito que a organização precisa dar uma olhada nisso para os próximos anos, pensando na saúde dos jogadores também, porque essa bola superpesada se torna perigosa para o cotovelo e para os ombros. Mas neste ano é o que temos", comenta o espanhol de 33 anos, que é patrocinado pela Babolat, fabricante anterior da bola em Paris.

O espanhol ficou 200 dias longe dos torneios oficiais. Ele foi campeão em Acapulco no final de fevereiro e só voltou ao circuito na semana passada, em Roma. Nesse meio tempo, passado o período mais restritivo da pandemia na Espanha, intensificou sua preparação para a breve temporada de saibro deste ano.

"Eu treinei com essas bolas em Mallorca antes do retorno. Lá, mesmo com o calor, a bola estava muito lenta. Honestamente, acho que não é uma bola boa jogar no saibro. Essa é a minha opinião. Não é a bola certa para o saibro. Mas eu sabia disso antes de chegar aqui, sem problema nenhum. Apenas aceitei o desafio", comenta Nadal, que estreia contra o bielorrusso Egor Gerasimov.

"Eu sei que vamos ter que jogar com esta bola, então eu preciso me adaptar a essas condições. Estou treinando com a motivação certa, com ambição certa e então vamos ver o que posso fazer ou o que não posso fazer", avaliou. "Sei que as condições não são perfeitas para mim, talvez não sejam perfeitas para os outros também, então tenho que aceitar que vou precisar do meu melhor para ter chances de vencer. Estou apenas relaxado sabendo que é um ano muito especial. Estou aqui apenas para ter a chance de desfrutar de outra vez de Roland Garros".

Comentários
Raquete novo
Suzana Silva