Notícias | Dia a dia | US Open
Azarenka enfim bate Serena e decide em NY pela 3ª vez
11/09/2020 às 00h47

Azarenka consegue apenas a 5ª vitória em 23 jogos contra Serena, a primeira em onze duelos de Grand Slam

Foto: Simon Bruty/USTA

Nova York (EUA) - Protagonistas de duas finais seguidas do US Open, em 2012 e 2013, Serena Williams e Victoria Azarenka voltaram a se enfrentar no Arthur Ashe Stadium na noite desta quinta-feira, desta vez por uma das semifinais do Grand Slam nova-iorquino. Azarenka, que havia ficado com o vice naquelas duas ocasiões, enfim superou a rival e está de volta a uma final de Grand Slam depois de sete anos. A bielorrussa começou atrás no placar, mas venceu por 1/6, 6/3 e 6/3 em 1h55 de partida.

Esta foi apenas a quinta vitória de Azarenka em 23 jogos contra Serena no circuito. Em Grand Slam, a norte-americana havia vencido todos os dez duelos anteriores. Isso inclui duas finais seguidas de US Open, em 2012 e 2013, ambas decididas em três sets. Na primeira delas, Azarenka chegou a sacar para jogo. Os demais triunfos da bielorrussa haviam sido em finais de campeonato, em Miami, Indian Wells, Doha e Cincinnati.

Bicampeã do Australian Open, Azarenka disputará sua quinta final de Grand Slam na carreira. A bielorrussa de 31 anos enfrentará Naomi Osaka no próximo sábado, às 17h (de Brasília). A japonesa, que também tem dois Slam e já venceu o US Open em 2018, lidera o histórico por 2 a 1. Elas já poderiam ter se enfrentado há duas semanas, na final do Premier de Cincinnati, mas a japonesa não entrou em quadra por conta de uma lesão muscular na coxa esquerda e Azarenka ficou com o título.

Onze vitórias seguidas em Nova York
Sendo assim, tanto Azarenka quanto Osaka defendem invencibilidades nas últimas três semanas. São onze vitórias seguidas da bielorrussa e dez da japonesa. Principal torneio preparatório para o US Open, o Premier de Cincinnati foi excepcionalmente transferido para o mesmo complexo Billie Jean King em Nova York, para que os tenistas ficassem menos expostos aos riscos de contaminação pelo coronavírus.

O bom momento no circuito também aparece no ranking. Ex-número 1 do mundo, Azarenka já saltou do 59º para o 27º lugar com o título de Cincinnati e já está indo para a 14ª posição. Se for campeã, assume o 11º lugar. Osaka é a atual nona colocada, está subindo para o quarto lugar e pode voltar ao terceiro lugar em caso de título. A japonesa de 22 anos também já esteve no topo do ranking mundial.

Vika pode ser a 4ª mãe campeã de Slam
Azarenka também volta a uma final de Slam pela primeira vez desde o nascimento do filho, Leo, em dezembro de 2016. Apenas três mulheres já venceram títulos de Slam depois da maternidade, as australianas Margaret Court e Evonne Goolagong e recentemente a belga Kim Clijsters. Nos últimos anos, Serena Williams teve quatro chances de fazer parte desse grupo, mas perdeu duas finais de Wimbledon e mais duas do US Open.

Por sua vez, Serena Williams adia mais uma vez o sonho do 24º título de Grand Slam. A veterana de 38 anos já é maior campeã do tênis profissional, com 23 conquistas. Sua meta agora é igualar a marca da australiana Margaret Court, maior vencedora em todos os tempos, com 11 títulos na Era Aberta e 13 ainda na fase amadora do esporte.

Serena aproveitou começo ruim de Azarenka
O início de partida foi um pouco tenso, com duas duplas-faltas para cada lado, e games complicados. Ainda assim, Serena conseguiu confirmar o saque e se aproveitou do fato de Azarenka colocar poucos primeiros serviços em quadra para quebrar duas vezes e abrir 3/0. Em vantagem no placar e com mais confiança, a norte-americana conseguia ser mais paciente na construção dos pontos e escolhia muito bem cada golpe, reduzindo assim sua margem de erro. Serena voltaria a quebrar o saque de Azarenka, fechando o set com 12 winners e 8 erros.

Logo no início do segundo set, Azarenka teve que salvar um break point e isso foi importante demais para que ela pudesse mudar a dinâmica da partida. A bielorrussa fez uma parcial muito consistente do fundo de quadra, com 12 winners e apenas um erro não-forçado, além de colocar quase 80% de primeiros serviços em quadra. Menos vulnerável no saque, ela pôde efetivamente disputar alguns pontos e mexer mais a adversária. Além disso, encontrou o melhor tempo para as devoluções e conseguiu duas quebras.

Imprevisto no início do terceiro set
Ainda no segundo game do último set, Serena Williams precisou de um atendimento médico no meio do game, aparentemente para problemas no tornozelo esquerdo ou no tendão de aquiles. Na volta, teve seu serviço quebrado. Demorou algum tempo para que a norte-americana conseguisse recuperar a mobilidade e Azarenka soube aproveitar a chance, abrindo 3/0 no placar.

Só então, Serena voltou a confirmar o serviço com mais tranquilidade, mas já não conseguia devolver o saque de Azarenka com a mesma precisão. A bielorrussa fez 5/2 e encarou um game duro na hora de sacar para o jogo, mas forçou os dois últimos saques e conseguiu uma das vitórias mais expressivas de sua carreira. Serena liderou a contagem de winners por 35 a 24, mas cometeu 28 erros contra 17 de Azarenka. O jogo teve seis quebras de serviço, com três para cada lado.

Comentários