Notícias | Dia a dia | US Open
FRASES: saiba o que comentam em Nova York
09/09/2020 às 21h07

“Isso só me mostra como as mães são duras. Se você pode dar à luz um bebê, você pode fazer qualquer coisa. Acho que vimos isso em Tsvetana hoje. Ela jogou inacreditavelmente.”
Serena, de 38 anos, mãe de Olympia, de 3 anos, falando à ESPN ainda na quadra.

“É como se você jogasse uma partida e fosse para casa trocar fraldas. É como uma vida dupla. É realmente surreal.”
Serena completa 39 anos no próximo dia 26.

"É inacreditável. Uau. Eu não conseguiria fazer isso.”  
Serena sobre a impressionante volta ao circuito da búlgara Pironkova, de 32 anos e mãe de um garoto de 2 anos.

“Eu queria muito. Estava me esforçando demais nos Grand Slam. Quando você começa a jogar tênis em uma idade jovem, a coisa que você sempre quis fazer é jogar em grandes torneios e nas grandes finais. Eu precisava aprender a jogar, lidar com essa pressão e com as expectativas de mim mesmo. Levei um pouco de tempo, mas agora estou nas semifinais do US Open e definitivamente não quero parar por aqui.”
Zverev, de 23 anos, alcançou sua primeira semifinal do Grand Slam em janeiro no Austrália e repetiu a dose no US Open. Zverev é o primeiro alemão desde Boris Becker (1995) a chegar às semifinais em Nova York.

“Teremos um novo campeão do Grand Slam. Isso é algo que sabemos com certeza. Tem muitos caras que querem… Eu sei que todos os jovens estão famintos por isso. Vai ser interessante."
Zverev

“Só quero agradecer a Naomi Osaka por representar Trayvon Martin em sua máscara personalizada e também por Ahmaud Arbery e Breonna Taylor. Nós agradecemos do fundo do coração. Continue indo bem, continue dando duro no US Open. Obrigada.”
Sabrina Fulton, mãe de Martin, agradecendo a Naomi Osaka, através da ESPN.

"Sinto-me como um navio espalhando consciência."
Osaka, emocionada com o reconhecimento das famílias.

“Eu estava tentando muito não chorar. Para mim, é um pouco surreal. É extremamente comovente que eles se sintam tocados pelo que estou fazendo. Para mim, sinto que o que estou fazendo não é nada. É uma partícula do que eu poderia estar fazendo. Foi muito emocionante. Estou muito grata.”
Osaka.

“Ela é fã de tênis, adora assistir, vem me ver treinar. Ela adora quando eu treino nesta quadra porque ela pode sentar e assistir.”
Serena sobre a filha Olympia.

"Ela tem três agora. 'Vou deixar minha carreira de lado e colocar uma raquete na sua mão’. Sério, isso foi o que disse ao meu marido ontem.”
Serena.

“Estava ficando muito chato com esses três caras ganhando todos os torneios.”
Denis Shapovalov, o primeiro canadense a chegar às quartas de final do Aberto dos EUA.

“O mais impressionante é que ele nunca respira. Ele corre de um lado para o outro e nunca fica sem fôlego. Ele desafia as leis da biologia, eu acho. Ele é uma aberração da natureza."
Pospisil, de 30 anos, elogiou a cobertura da quadra de seu oponente mais jovem.

“Todos na minha equipe são espanhóis.”
O russo Rublev explicando porque grita ‘Vamos’. O técnico Fernando Vicente o acompanha há 4 temporadas.

“O Andrey trabalha muito, gosta muito de tênis e merece tudo o que está acontecendo. Ele sabe quais são suas fraquezas, embora às vezes seja muito impulsivo. Mas essa é a personalidade dele e estamos trabalhando nisso. A ideia é melhorar os pontos mais delicados porque há muito o que melhorar, mas aos poucos vamos chegando lá.”
Fernando Vicente, técnico de Rublev.


Comentários