Notícias | Dia a dia | US Open
Murray: 'Não imaginava poder fazer um jogo de 4h'
02/09/2020 às 09h55

Murray perdeu os dois primeiros sets para Nishioka e precisou de mais de 4h para selar a virada

Foto: Darren Carroll/USTA

Nova York (EUA) - A estreia do britânico Andy Murray no US Open deste ano não poderia ter um roteiro mais épico em favor do ex-número 1 do mundo, que perdeu os dois primeiros sets para o japonês Yoshihito Nishioka e depois buscou uma incrível virada, vencendo dois tiebreaks e a três parciais seguintes para fechar o jogo com placar de 4/6, 4/6, 7/6 (7-5), 7/6 (7-4) e 6/4.

“No início do jogo fiz tudo errado, ele dominou os pontos e foi muito agressivo. Foi então que encontrei o equilíbrio do que tinha que fazer em quadra e comecei a jogar melhor. Foi uma vitória especial porque não joguei bem e não havia ninguém olhando. É a primeira partida tão longa que disputo em muito tempo”, analisou o escocês, que precisou de 4h39 para derrubar Nishioka.

“A verdade é que, nos últimos três anos, não estava muito feliz quando jogava tênis porque me sentia muito mal, meu corpo doía muito. Agora, acabei de terminar uma partida de quatro horas e meia, algo que não imaginei que seria capaz de fazer”, comemorou Murray.

O britânico inclusive lembrou de seu último jogo de cinco sets, pela primeira rodada do Australian Open do ano passado. “Sinto-me muito melhor do que quando joguei com (Roberto) Bautista na Austrália. Meu quadril não dói e vou conseguir dormir bem esta noite. Minha qualidade de vida está bem melhor agora e acho que isso transparece no meu humor”, festejou o ex-líder do ranking.

Na próxima rodada, Murray medirá forças com o jovem canadense Felix Auger-Aliassime, que bateu o cearense Thiago Monteiro em um duro confronto de quatro sets. “É um grande jogador, treinei com ele uma vez em Pequim no ano passado. Acho que foi a única vez que fiz isso. Se não me engano está 20 ou 21 no mundo, certo? Ele está subindo rumo ao topo”, comentou o britânico.

“Ele gosta de jogar em quadras duras, embora às vezes seja difícil controlar seu saque. Isso é algo de que tentarei tirar proveito. Ele tem uma carreira excelente pela frente e está muito bem há muito tempo”, complementou Andy, que medirá forças com o canadense pela primeira vez no circuito.

Comentários