Notícias | Dia a dia | US Open
Murray salva match point e busca virada heroica
01/09/2020 às 18h10

Murray conseguiu a décima virada na carreira depois de perder os dois primeiros sets

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - O sempre lutador Andy Murray deu mais uma mostra de todo o seu amor ao tênis e conseguiu uma virada heroica em sua estreia no US Open. O ex-número 1 do mundo ficou em quadra por 4h39 e precisou salvar um match point na incrível vitória sobre o canhoto japonês Yoshihito Nishioka, 49º do ranking, com parciais de 4/6, 4/6, 7/6 (7-5), 7/6 (7-4) e 6/4.

Com o resultado, Andy Murray marca sua décima virada depois de sair de dois sets abaixo. Isso o faz igualar os recordes de Boris Becker, Roger Federer e Aaron Krickstein na Era Aberta. Esses quatro jogadores foram os únicos no tênis profissionais a conseguir virar dez jogos nessas condições.

Murray agora tenta se recuperar a tempo de seu compromisso na segunda rodada. Ele pode enfrentar o número 1 do Brasil Thiago Monteiro ou o canadense Felix Auger-Aliassime, cabeça 15 em Nova York. Além disso, ele mantém a escrita de nunca ter perdido na primeira rodada do US Open. O britânico já foi campeão do torneio em 2012 e sua última vitória em Grand Slam havia acontecido justamente em Nova York, há dois anos.

Ex-número 1 do mundo e dono de três Grand Slam, Murray está com 33 anos. Ele já passou por duas cirurgias no quadril, que o fizeram cogitar encerrar a carreira, e ocupa atualmente apenas o 115º lugar do ranking, embora já tenha vencido um ATP pouco depois de voltar às quadras no ano passado.

Além do histórico problema no quadril, Murray ficou nove meses sem disputar competições oficiais. Ele sofreu com uma pubalgia durante a participação na Copa Davis, em novembro do ano passado, e não pôde atuar nos torneios do início desta temporada. Então, veio a pandemia e a paralisação do circuito por cinco meses. Para tentar ganhar ritmo, o britânico fez algumas exibições em Londres e jogou em bom nível. Em sua volta ao circuito, venceu dois jogos pelo Masters 1000 de Cincinnati, na semana passada, um deles sobre o top 10 Alexander Zverev.

Britânico conseguiu a décima virada
O set inicial da partida teve apenas uma quebra. Apesar de Murray ter cedido apenas seis pontos em seus games de serviço e de ter pressionado duas vezes o saque do adversário no início da parcial, bastou um game ruim do britânico para que Nishioka conseguisse uma quebra no sétimo game.

A vantagem do japonês continuou no início do segundo set, com Murray bastante irregular do fundo de quadra. O britânico cometeu 19 erros não-forçados na parcial, contra apenas oito de seu adversário. Nishioka abriu 4/0. Ainda que o ex-número 1 tenha devolvido uma das quebras, ele não conseguiu evitar a perda do set.

Uma quebra a favor do japonês logo no game de abertura do terceiro set parecia encaminhar a eliminação de Murray em sets diretos, mas o britânico aproveitou o único break point que teve em toda a parcial para buscar o empate por 3/3. O campeão de 2012, ainda enfrentou dois games de saque muito difíceis antes de forçar o tiebreak e vencer a parcial. O britânico ainda sofria com algumas dores no pé direito e chegou a precisar de atendimento

O quarto set seguia inteiramente sem quebras, mas enquanto Nishioka vinha confirmando seus games de saque com tranquilidade, cedendo apenas cinco pontos no serviço, Murray era constamentemente ameaçado. O britânico escapou de cinco oportunidades de quebra, inclusive de um match point quando perdia por 6/5. Entre o terceiro e o quarto set, Nishioka chegou a criar dez break points, tendo aproveitado apenas um. Murray novamente foi o melhor jogador em quadra durante o tiebreak e conseguiu empatar o jogo.

Ao forçar o quinto set, Murray tentava buscar a décima virada de sua carreira vindo de dois sets abaixo. E tinha a favor seu bom retrospecto, com 23 vitórias e apenas 12 derrotas em partidas de cinco sets. Nishioka, por sua vez, já dava sinais de descontentamento com seu desempenho em quadra e as oportunidades perdidas.

Ainda assim, o japonês foi o primeiro a quebrar, após uma dupla-falta do britânico para fazer 3/2. Murray reagiu no game seguinte, aplicando um lob magistral para devolver a quebra. Com isso, o ex-número 1 do mundo ganhou confiança e passou a ser muito firme do fundo de quadra, sem dar chances ao adversário e conseguiu uma quebra de serviço decisiva para consolidar a virada.

Comentários